Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES

BRANCA DE NEVE
(em quadras)


Há muitos anos viveu
Num reinado uma menina
Que a mãezinha perdeu
Ainda mui pequenina.

Seu pai casou novamente
Com uma bruxa malvada
Que o matou e, à inocente,
Trazia escravizada.

E um dia percebendo
Ser a jovem muito bela,
Fica logo remoendo
Como desfazer-se dela.E

A bruxa, maldade só,
Sua morte encomendou
A um caçador que, com dó,
O crime não praticou.

Poupou-lhe a vida. E, chorando,
Mato a dentro, ela correu.
Uma casinha encontrando,
Nela entrou e adormeceu.

A casa dos sete anões
Que trabalhavam na mina
E que à noite, cansadões,
Dão de cara com a menina.

Soneca, abrindo a boca,
Não consegue entender.
Atchim, que está de touca,
Espirra... E sai a correr.

Zangado fica irritado
Com sua cama ocupada.
Mas Feliz, por outro lado,
Achou a cena engraçada.

Dengoso vai se escorando
Na menina, com carinho.
Porém Dunga, ciumando,
Belisca o outro anãozinho.

Mestre, que é a quem cabe
O comando, a atenção
De todos, chama. Pois sabe:
Tem nas mãos um problemão.

Vai ficando a princesinha
Ali, mas, uma manhã,
Uma fingida velhinha
Lhe oferece uma maçã.

É a bruxa. E ao comer,
A princesa em profundo
Sono cai. Deixa de ser
Sua rival neste mundo.

Pelos anões, comovidos,
É guardada em um caixão
De vidro. E transcorridos
Anos, a ressurreição:

Um príncipe que se perdera
Em meio ao mato a caçar,
Quando o caixão percebera
Ali parara pra olhar.

E pousando o seu olhar
Naquela linda princesa,
Ele logo a quis beijar.
E qual não foi a surpresa!

Ela acordou! E, então,
O príncipe, apaixonado,
Lhe ofertou seu coração
E a levou pro seu reinado.

 
Fim

Rosa Regis

Natal/RN
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 04/08/2008
Alterado em 23/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.