Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos



A BELA ADORMECIDA
(conto de domínio público)
recontado por Rosa Regis

Num reino muito distante
Havia uma princesinha
Cujo nome era Aurora.
Nome que deu-lhe a Rainha.

Quando do seu batizado
O Rei, seu pai, prometeu
Sua mão a um belo príncipe
Filho de um amigo seu.

Na festa estavam presentes
Três fadas boas, madrinhas
Da jovem princesa Aurora,
Com suas mágicas varinhas.

Chamavam-se: Flora, Fauna
E primavera. Um dom
À princesinha ofertaram
Cada uma. Isso era bom.

Flora doou-lhe a beleza
E Fauna, uma voz bonita.
Porém na hora da última
Houve uma coisa esquisita:

Um barulho de risada
Terrível! Huá! Há! Há! Há!
Era uma outra fada:
Malévola – a fada má.

E, por não ser convidada,
Ela afirmou para o rei:
- Por não ter sido lembrada,
Uma praga eu jogarei:

- Ao fazer dezesseis anos
A princesa espetará
Seu dedinho numa roca
E em seguida morrerá.

Disse isso, e evaporou-se
Antes que a guarda real
A conseguisse prender,
Deixando pra trás, o mal.

Mas faltava ainda uma
Das fadas presentear
A princesinha. E ela
Fez o mal amenizar.

Pois Primavera interveio
Na praga da fada má.
Assim sendo a predição
Só em parte se dará.

“Não será sono de morte
O sono que ela há de ter,
Ela será despertada
Pela força do querer.

Um beijo doce de afeto
E o amor maior do mundo
Virão desperta-la um dia
Desse seu sono profundo”.

E o rei protegendo a filha,
Em seu reino decretou:
- Quebre-se e queime-se todas
Rocas de fiar! Falou.

Fauna, Flora e Primavera,
Decidiram por tomar
Conta da sua afilhada,
Tentando a praga evitar.

Dentro da floresta, numa
Cabana de lenhador,
As madrinhas se instalaram
E a criaram com amor.

Dezesseis anos se foram.
E, no dia do décimo sexto,
As madrinhas se juntaram
E, arranjando um pretexto,

Mandaram-na passear
Com um motivo bem tolo:
Só pra poder preparar
Para ela um belo bolo.

E andando pela floresta
A princesinha encontrou
O príncipe, seu prometido,
E por ele se apaixonou.

Mas a princesa pensava
Que era uma camponesa.
Morava com as suas tias!
Disto ela tinha certeza.

Assim, ela sai correndo
Daquele belo rapaz
Que, estando apaixonado
Por ela, corre-lhe atrás.

E faz que ela prometa
Que o irá encontrar.
Ela diz não, resistindo.
Mas, finda por aceitar.

E marca lá na cabana
Onde mora com as “tias”,
As fadas, suas madrinhas,
No finalzinho do dia.

Mas quando ela chega em casa
Lhe espera grande surpresa:
O bolo de aniversário
E... descobre que é princesa!

A descoberta lhe deixa
Triste, pois fica sabendo
Que já era prometida.
Isto a faz ficar sofrendo.

Nem imagina que o homem
Por quem se apaixonou
É o mesmo a quem seu pai,
Como esposa, a doou.

Enquanto isso, Malévola,
Que acabou descobrindo
Onde se encontra a princesa,
Para a cabana está vindo.

Chegando perto de Aurora
A chama e faz fitar
Uma luz verde e brilhante
Que a vai hipnotizar.

E por uma porta mágica
Da floresta a faz passar
Para, em seguida, com um fuso,
O seu dedinho furar.

Aurora já cai dormindo.
E as madrinhas, num segundo,
Pra proteger a princesa,
Fazem dormir todo mundo.

E voam para a cabana
Buscando o desconhecido
Que nada mais é que o príncipe,
Da princesa, o prometido.

Mas ele fora levado
Por Malévola, que o venceu
Depois de uma grande luta
E num calabouço o prendeu.

Mas Primavera descobre
Onde o príncipe foi parar,
Enfeitiça a guarda e o solta
Para a princesa ir salvar.

Malévola e as fadas boas
Enfrentam-se, afinal:
As fadas defendem o Bem
E a bruxa defende o mal.

Com a espada da verdade
Que ele ganhou de presente
Das fadas boas, o príncipe
Vence a luta, finalmente.

A bruxa má que virara
Num dragão, se evapora
Consumida pelo mal.
E o príncipe salva Aurora

Com um beijo de amor.
Daquele sono profundo
Ele a tira. E nos seus braços
A traz de volta ao seu mundo.

Sendo desfeito o feitiço
O reino todo acordou.
E a princesinha, feliz,
Com o seu amor se casou.



Natal/RN – 06 de setembro de 2008.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 12/09/2008
Alterado em 30/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.