Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos

DESABAFANDO COM OS PÁSSAROS

DESABAFANDO COM OS PÁSSAROS


Os caminhos são tão longos, Caminheiros!
A estrada tão comprida
Para quem vive no mundo, Caminheiros,
Uma vida desvalida.

E de vida desvalida, Caminheiros!
Eu entendo muito bem.
Pois assim é minha vida, Caminheiros!
Uma vida de ninguém.

Uma  v i d a  que não vale, Caminheiros,
A pena, aqui, lhes contar.
Da qual, é melhor que eu cale, Caminheiros!
Pra não faze-los chorar.

Uma  v i d a  desvalida, Caminheiros!
Que ninguém jamais tentou
Saber se era mesmo vida, Caminheiros!
Saber se tinha valor.

Uma  v i d a  só de dores, Caminheiros!
E lágrimas para regar
As dores, como se, flores, Caminheiros...
Fossem! E não deixar murchar.

Mas, como não pode ser, Caminheiros,
De outra forma, o meu caminho,
Eu sigo como um pássaro, Caminheiros,
Que perdeu, cedo, o seu ninho.

Um pássaro que, sem carinho, Caminheiros,
Sem quem o ensine a voar,
Vai-se perder no caminho, Caminheiros!
Ou deixar-se aprisionar.

Aprisionar-se por alguém, Caminheiros,
Sem coração,sem amor,
Que não sabe o que é o BEM, Caminheiros!
E nem liga pra sua dor.

E p’ra quem,  preso ficou, Caminheiros,
Nesta vida, sem amor,
A estrada da vida é longa... Caminheiros!
Longa e sem qualquer valor.


Rosa Regis


Natal/RN – 2001.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 26/09/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.