Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos



A ROUPA NOVA DO IMPERADOR
Do livro:
CONTOS DE FADAS POLITICAMENTE CORRETO

De JAMES FINN GARNER
Tradução e adaptação de Cláudio Paiva.


Cordelizado por: ROSA REGIS
Ilustrado por: Danda



Há muitos e muitos anos,
Do outro lado do mundo,
Vivia um alfaiate
Cujo nome era Raimundo.

O alfaiate inquieto
Que vivia a viajar,
Num lugar desconhecido
Um dia ele foi parar.

Era um pequeno reinado
Cujo rei que o governava
Era bom, mas, vaidoso!
Todo mundo comentava.

E o alfaiate inquieto,
Que diverge dos padrões
Dos tranqüilos alfaiates,,
Já pensa com seus botões:

- Aqui eu vou dar-me bem!
Da vaidade do rei
Eu vou me aproveitar.
Para isso, a forma eu sei.

Do rei, por um seu vassalo,
Procura se aproximar:
Faz amizade com este
Para no palácio entrar.

Ao vassalo então induz
Que convença a realeza
Ser ele um grande alfaiate.
O melhor da redondeza.

E o que ele esperava
Logo, logo, aconteceu.
Dia seguinte o alfaiate
Um recado recebeu.

Era uma ordem do rei
Que o chama a comparecer
Ao palácio, com os tecidos,
Para uma roupa fazer.

Ele, que qualquer amostra
De nenhum tecido tem,
Maquina enganar o rei.
Isso ele faz muito bem!

Vai ao Palácio Real
Sem nada. Mãos abanando.
E, lá chegando, ao rei,
Mãos vazias, vai falando:

- Meu rei, o que tenho aqui,
É um tecido especial
Que só quem vê é pessoa
De mente fenomenal.

Tecidos maravilhosos
Que só quem tem o poder
De vê-los, pois, são os deuses,
E os de maior saber.

E o rei, que nada via,
Não querendo parecer
Que não era inteligente,
Fingiu que estava a ver.

Encomendou a roupagem
Ao grande mentiroso
Que saiu dali sorrindo,
Se achando vitorioso.

E alguns dias depois
Ao reino ele retornou.
Nada nas mãos vem trazendo.
Porém ao rei afirmou:

- Eis aqui, meu bom monarca,
A roupa da encomenda!
A fiz com zelo e capricho!
Ficou que é mesmo uma prenda!

O monarca envergonhado
Por nada ver, duvidando
De si mesmo, ao seu vassalo
Dirige-se comentando:

- Amanhã desfilarei
Pelas ruas da cidade
Ao povo será mostrada
A roupa da majestade.

Com o alfaiate ajudando,
A roupa experimentou.
O vassalo ao vê-lo nu
Sorrindo, o rosto virou.

Porém logo dominou
O sorriso. Pois sabia
Que se dissesse o que viu
O monarca o puniria.

Além do mais o vassalo
Não queria ser chamado
De idiota ao dizer
Ter visto o seu rei pelado.

Pois o alfaiate afirmara,
Ouvira, veementemente,
Que só veria a tal roupa
Quem fosse inteligente.

A Corte fora avisada:
- O Monarca desfilará
Com a sua nova roupa!
Só quem for sábio a verá!

- E aquele que for parco
Da inteligência, afinal,
Não verá a nova roupa
Que é mesmo colossal.

No dia e hora aprazada
Todo o povo do reinado
Tomou as ruas esperando
O desfile anunciado.

Soam trombetas!!... É hora
Da nobre apresentação!
O rei surge! Boquiaberta,
Deixando a população.

Está totalmente nu!
E sem demonstrar vergonha,
Mostrando o corpo banhudo.
É uma visão medonha.

Ele vê que está nu
Mas não o pode afirmar,
Tal qual a população.
Pra não se menosprezar.

Já que só que vê a roupa
É quem é inteligente,
Nem o rei e nem o povo
Aceita a verdade. Mente.

Mas, eis que uma criança,
No meio da multidão,
Grita: - O rei está nu!
E esconde o riso com a mão.

É interrompido o desfile.
O imperador parou.
De repente um esperto
No meio do povo, falou:

Não! O rei não está nu!
Está somente adotando
“Nova opção de vida”
E a nós todos mostrando.

O povo soltou um viiiiva!!
A roupa toda tirou
E, dançando alegremente,
Ao rei nu, acompanhou.

Nus o povo e o monarca,
Dançavam ao sol. Que beleza!
Sem vergonha, sem pudor,
Como manda a Natureza.

Daquele dia em diante
Tornou-se opcional
A roupa naquele reino.
Andar nu era legal.

O alfaiate malandro
Que ao rei quis enganar,
Perdendo o seu ganha-pão
Foi-se daquele lugar.

Empacotou as idéias
Com agulhas e dedais,
E foi-se sem dar adeus
Pra não voltar nunca mais.

FIM


Natal/RN – 06/10/2008 – no consultório médico.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 24/10/2008
Alterado em 09/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.