Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos

DE NÁUFRAGO A ESPECTADOR (Poesia filosófica)
DE NÁUFRAGO A ESPECTADOR
Por: Rosa Ramos Regis - Natal/RN - 2000.
Editado na Antologia Literária - vol. 4, da Sociedade dos Poetas Vivos e Afins - SPVA/RN - Natal/RN - 2005.

Em mar calmo... s e r e n o... eu vivia a remar,
com um vento ameno às velas enfunar.
Perigo não havia, ou se havia, eu não via,
de naufrágio no mar.

...
Estaria eu só, naquele imenso... mar...
tranqüilo... s e r e n o...?
Não consigo lembrar!
Só lembro que o vento mudou de lugar.
E agora, com força, passou a soprar
mudando, em momentos, o comportamento
das ondas do mar.
Estaria eu só?...
Ou tu estavas lá quando o mar... revolto... veio a dominar?
A mudança foi brusca! Porém enfrentei!
Sozinha ou contigo?... Confesso: - Não sei!
E com o barco à deriva, p'ra manter-me viva,
ao mar me lancei.

De "braços abertos" o mar me acolheu!
Tu, de lá... pensavas: - "Que pena!... morreu!
- Mas eu estou seguro! Tenho como certo.
E dou graças a Deus"!

Mas...
Tu estavas lá... no barco... a afundar!
Ou seria apenas ilusão de um náufrago... no Mar?!

Pois...
se no barco não estavas,
já que o mesmo afundou, e tudo que havia com ele levou!
Onde estavas... tu... espectador?

Estavas Seguro!... no porto!... a olhar
o sepultamento de um outro... no mar,
onde só lamentos despendes de ti, apenas com o fim de te conformar!

Não sabes, amigo,
que eu também posso estar bem juntinho a ti
só a observar aquilo que agora só pertence ao mar
e que valorizas com tanto ardor,
sem imaginar que é algo que passa... que acaba...
e não mais valerá para ti, em nada!
É como uma roupa
que velha, rasgada, deteriorada,
no lixo é jogada!
E que, em troca, lhe é dada uma nova, que irá seu lugar ocupar.
...
E assim se deduz que o espectador
não é só aquele que  no cais ficou
olhando o naufrágio e rezando em sufrágio de quem naufragou

Mas...
o náufrago, também, pode bem estar
a ver o que ocorre, consigo, no mar,
ao se transformar no espectador do seu próprio naufrágio
sem desesperar.






Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 05/05/2006
Alterado em 23/09/2010


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.