Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


UM CORDEL EM HOMENAGEM
A HILTON DA CRUZ GOUVEIA

(cadeira 27 cedida à poetisa, cordelista e trovadora: Rosa Regis, no dia 05 de dezembro de 2009, na ATRN - Academia de Trovas do Rio Grande do Norte)


Em homenagem a Hilton
Da Cruz Gouveia, aqui venho
Falar um pouquinho dele,
Aproveitando o que tenho
Em mãos para descrever
E aos presentes trazer
Com amor e com empenho.


Nasceu no Mês Oito de
Mil Novecentos e Vinte,
Em Palmares – Paraíba,
Um militar de requinte!
Foi bacharel em História
Pela Federal , com glória
E humildade. Sem acinte.

No ano 59 ,
No dia 4 de abril,
Casou Hilton com Rinaura,
Tendo o amor como perfil.
Dali para frente, um só
Tornaram-se. E este nó
Só o desfez a morte vil.

O Dezesseis RI,
Foi seu Quartel General,
Serviu gloriosamente
Como membro do Hospital
De Guarnição. E nos diz
Sua esposa : - Foi feliz!
Um militar sem igual.

Findou a sua carreira
Militar saudavelmente,
Na CSN, e vê
Que irá dali pra frente,
Continuar trabalhando.
E isso o faz, ensinando
De forma bem competente.

Na reserva, se dedica,
Agora, com mais vigor,
A sua nova carreira
Que é a de professor.
E à sua atividade
“Nova”, então, na verdade,
Dedica-se com amor.

Na Escola Técnica deu aula
E também foi diretor.
De História e Geografia,
No Atheneu , foi professor.
Seguidamente, em História,
Na Federal , tem vitória.
Mostrou-se conhecedor.

Foi diretor da CRUTAC:
Lá em Ceará Mirim
E em Santo Antônio do Salto
Da Onça, indo, por fim,
Pra Santa Cruz. Lá ficou
E doze anos passou.
Assim disseram pra mim.

Finalmente aposentou-se
Se aquietando em Natal.
Agora, era a poesia
Quem animava o casal.
Pois de militar, passou
A professor, mas, findou,
Das musas, o general.

Cinquenta anos de paz,
De amor, de alegria!
Me falou Dona Rinaura.
E isto continuaria
Não fora a morte malvada
Que, vindo sem ser chamada,
Ao seu amor roubaria.

Dia 22 de maio
Chega sorrateiramente
A dama dona da vida
Que pena, de ninguém, sente,
Pega na mão de Hilton Cruz
E o leva até Jesus
De quem ele era temente.

Porém hoje está presente
Aqui no meio de nós
Qual fora um rio afluente
De cuja corrente, a voz,
No ar, se deixou levar,
Deixando-se transportar,
Pelas asas do albatroz.

E findando esta homenagem
Não poderia deixar
De citar algumas trovas
Desse poeta sem par,
Que a sua alma botou
Na poesia e doou
Ao céu, ao mar e ao ar.

::::::::::::::::::::::::::::::::::

Pra velhice não tem rogo,
parece até uma praga;
aos sessenta baixa o fogo
e aos oitenta o fogo apaga.

(Hilton da Cruz Gouveia - Natal/RN)
............................................

Sob o manto da verdade
digo com muita firmeza,
quem não “vai” na mocidade,
na velhice, com certeza!...

(Hilton da Cruz Gouveia - Natal/RN)
...........................................
A cruz que sempre carrego
ela também me conduz,
tem sua origem, não nego,
no madeiro de Jesus.

(Hilton da Cruz Gouveia - Natal/RN)


Fim
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 10/12/2009
Alterado em 26/02/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.