Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


LOJA MAÇÔNICA CLEMENTINO CÂMARA
(50 anos de fundação)



Eu peço ao Grande Arquiteto
Do Universo, inspiração,
Para falar nestes versos
D’uma comemoração.
E que o faça com alegria
E prazer no coração.

É a comemoração
Da data de aniversário
Desta LOJA CLEMENTINO
CÂMARA. Sendo necessário
Que se festeje com pompas
O seu meio centenário.

Fundada em 04 de julho,
Do Século XX, meados:
No ano 58.
São, hoje, comemorados,
Portanto, os cinqüenta anos,
Pelos “brothers” festejados.

E homenagem que é,
Não podemos esquecer
De falar da sua cúpula:
Irmãos que vieram a ser
O comando dos “pedreiros”
Operantes no fazer:

O primeiro diretor,
Provisório, vem marcar
O início, a fundação:
HENRIQUE MARQUES GASPAR.
Primeira diretoria
Provisória a se instalar.

Em seguida, o permanente,
Por um ano ficará:
ARI ALECRIM PACHECO
Que a Loja comandará
Por dois anos. Em seguida,
O comando entregará.

Terceiro e quinto é OCTÁVIO
JOSÉ DOS SANTOS, que vem,
Com garra e, por dois mandatos,
À CLEMENTINO sustém,
E entre estes dois mandatos
Um quarto se inclui, também.

É o GENIVAL DE SOUZA
Que soube dar seu recado!
E logo em seguida vem
AUGUSTO GOMES DOURADO
Depois vem: ANTÔNIO ACÁCIO
DO NASCIMENTO chamado.

Após ele, ABEL MARTINS
DE SOUZA comandaria.
Depois, o JOSÉ OLÍMPIO
DE MELO é quem o faria.
E ANTÔNIO JORGE DA SILVA
Dali continuaria.

Em seguida, JOSÉ MENDES
DA SILVA toma o timão
Que passa ao CÍCERO BEZERRA
JÚNIOR – em nova eleição,
E este, ao JOSÉ MORAIS
BATISTA, a nova opção.

OTÁVIO OLIVEIRA SANTOS
Foi o próximo a tomar
O leme em suas mãos
Que, depois, veio a passar
A EMANUEL GONSALVES
DE OLIVEIRA que vem dar

Continuidade à Obra.
Vindo, em seguida, entregar
O leme a ADERBAL PEREIRA
DE BRITO que a EDGAR
ALVES passou o comando
Mas, na hora de passar.

JOÃO VIEIRA DE MORAIS,
Que vem depois de Edgar,
Passa a batuta a MANOEL
REIS DE LIMA que vai dar
Vez ao Sr. IVOLDETE
BEZERRA, pra comandar.

ANTÔNIO PÁDUA DE SOUZA
De Involdete recebeu
O comando e, por dois anos,
Fez bem o trabalho seu.
Passando-o a JOÃO VIEIRA
Que, de novo, se elegeu.

E da fundação da LOJA
CLEMENTINO falarei
Um pouco para os senhores.
Pois, pouco sei! Mas farei
Da melhor forma possível!
A isso me proporei.

Sua fundação se deve
À LOJA FILHOS DA FÉ,
Onde a mesma funcionou
Até enquanto deu pé.
No ano de Oitenta e Cinco.
E aí mudou de Sé.

E, por um pequeno espaço
De tempo, três meses só,
Ficou na BARTOLOMEU
FAGUNDES, sem quiprocó.
E ainda em 85
Dali sacudiu o pó.

E durante sete anos
Teve o seu Templo e seu ninho
Nas instalações da mana
LOJA PADRE MIGUELINHO
Que a recebeu e alojou
Com irmanado carinho.

E no ano Noventa e Dois,
Finalmente, chega a vez
Da CLEMENTINO ganhar
O seu espaço. E se fez
Com honra, com galhardia
E com sóbria solidez.

A sagração do seu templo
Foi a 11 de abril
Do ano Noventa e Sete.
E alegria infantil
Tomou conta dos irmãos
Do mais velho ao juvenil.

O Grão Mestre JOÃO BATISTA
CORINGA DA SILVA, então,
Tinha sob sua guarda
A administração
Da Loja, à quem servia
Com muita dedicação.

Uma observação
Se deve, ainda, fazer
Com respeito à CLEMENTINO,
Com o fim de esclarecer:
Lá na sua fundação
Ela era da G O B.

Só em Mil e Novecentos
E Setenta e Três logrou
Emancipar-se e seguir
Caminho solo, e lutou
Até que, enfim, conseguiu
O lugar com que “sonhou”.

Aqui eu passo a falar
Um pouco dessa irmandade
Que tem como fundamento
Amor e fraternidade.
Onde o maçon tem que ser
Honesto, bom, merecer
Título de integridade.
...
A.:G.:D.:G.:A.:D.:U.:
Que é “A Glória do Grande
Arquiteto Do Universo”
Por este mundo se expande
Levando harmonia e paz
Para que o B.: não desande.

O B.: é o Irmão maçon!
Ou Brother, dito em inglês!
Que é um membro da família
Maçônica, por sua vez.
Eu o soube pela Internet,
De quem tornei-me freguês.

B.:D.:S.:P.:H.:
E G.:F.:, em si, seria:
A Beleza; a Divindade;
O S.: Sabedoria;
P.: de Poder; H.: Honra;
Dentro da Maçonaria,

O G.: é, em si, a Glória
E o F.: Força vem ser.
Eis aí alguns dos símbolos
Que eu busquei conhecer
Para que um bom trabalho
Eu vos pudesse trazer.

E o que é Maçonaria?
Quererá você saber.
Eu, que pouco ou nada sei,
Vou buscar satisfazer
O seu desejo tentando
Boa resposta trazer:

Não sendo beneficente
Ou mesmo securitária,
Não visando nenhum lucro,
Todavia é solidária.
Isso se vê entre irmãos
Maçons ou pessoa vária.

Pregando, a Maçonaria,
Amor e fraternidade,
Com princípios e preceitos
Que buscam, em realidade,
Tornar os que já são bons
Em melhores, de verdade!

É a gentileza em casa;
No trabalho, é lealdade;
Perdão aos arrependidos;
Nos negócios, honestidade;
Compaixão pelos doentes,
Amor e fraternidade.

Ela é reverência a Deus,
Que é mesmo o Grande Ser!
E ainda se poderia
Dela muito se dizer!
Enfim: Um modo de vida
Agradável de viver.

Sociedade onde irmãos,
Vivendo em pura harmonia,
Em igualdade, ligados
Pela amizade que cria
Um elo de confiança,
A paz sempre vivencia.

É uma escola na qual
Todos, buscando a verdade,
Procuram sempre o Saber
Como uma prioridade.
Pois um povo esclarecido
Ascende à felicidade.

Um sistema ético e moral
E com a filosofia
Que visa: o espiritual,
Social, cidadania...
Respeita o amor ao próximo
E a Deus reverencia.

A mais antiga e a maior
Irmandade conhecida.
Já mesmo antes de Cristo
Ela era referida
Dando a entender que era,
Antes de Jesus, nascida.

Uma espécie de união
Fraterna que reunia
Um grupo que, irmanados
No mesmo pensar, seria,
Se comparado, a semente
Da atual maçonaria.

Sociedade secreta?!
Não seria isso um mito
Diante de tudo que
Sobre si já foi escrito?
Ela já se tornou pública!
Este é o veredicto.

Tendo o amor fraternal
E a solidariedade
Como temas principais;
Buscando sempre a verdade;
A Maçonaria tem,
Em seu bojo, a lealdade.

Mesmo que pareça ser,
Não é uma religião!
Tomar o lugar de uma
Não é sua pretensão.
E qualquer que seja a sua
Ela lhe oferece a mão.

Porém para que alguém
Que maçon pretenda ser,
Consiga se filiar
À mesma, terá que crer,
Com toda convicção,
Que existe um Supremo Ser.

Sem preconceito de raça,
De credo e, também, de cor,
Exige do candidato
A maçon, como prior:
Uma boa reputação,
Um caráter sem bolor.

Por nenhum outro maçon
Deve ser, ele, indicado.
O candidato é quem deve
Buscar o fim desejado
Através d’uma entidade
Maçônica ou d’um afiliado.

Ser maior de vinte e um
Anos de idade e ter
Saúde mental e física,
Formação moral e ser
Homem de vida regrada,
Sem nada para esconder.
...

Rezei aqui como deve
O maçon se conduzir
Sei que posso ter errado
Ao algum item inserir.

Rogo, porém, que perdoem
Esta poeta enxerida,
Gaiata, que está tentando,
Inserir-se, de cabida.
Saúdo-os, me desculpando.


Fim

Rosa Regis
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 03/01/2010
Alterado em 06/04/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.