Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


SANDICES...
(Um comentário ao Soneto
A SANDICE DO POETA
de Fernando Cunha Lima)

 
Meu Deus, Fernando!... Se dizes sandices
Que digo eu, nos meus míseros versos
Que nada dizem dos temas mais diversos?
Que apenas falam bobagens... asnices!

E os hiatos... ou esquisitices...
Também, eu, os sinto em alguns momentos
Quando parecem fugir-me os pensamentos
E vejo-me fazendo apenas maluquices.

Venho aqui, pois, fazer-te companhia
E oferecer-te, para a travessia
Da solidão, a minha mão amiga.

E, de mãos dadas, a nossa fantasia
Transcenderá o vazio, e a alquimia
Da amizade dará fim a fadiga.


ROSA REGIS

Natal/RN
24/10/2007 – 22:20h
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 27/01/2010
Alterado em 01/04/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.