Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


O GATO DE MAMÃ

(respondendo ao soneto de Fernando Cunha Lima:

O GATO )

Tu revives a lembrança de um gatinho
Da tua querida avó, lá... no passado,
Revivendo em mim o que me é dado
A lembrar, com o máximo carinho,

Pois a lembrança me traz um tal bichinho
De Mamã, a minha irmã, que com cuidado,
O tratava. Era um gato amarelado
Que, sem nome, era chamado de xaninho.

O "xaninho" parecia mesmo gente,
Com seu comportamento diferente,
Pois o seu apetite diferia

Do dos outros gatos. E tenho em mente
Uma das preferências desse ente:
Manga espada. Que comia com alegria.



Rosa Regis

Natal/RN - 29 de janeiro de 2010
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 28/01/2010
Alterado em 31/03/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.