Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


O POETA AMÉRICO PITA
E O FOGARÉU NO SEU SÍTIO

(cordel-homenagem)

(Homenagem ao meu colega em
poesia e amigo do coração, o poeta
e pesquisador da Poesia Popular: Manoel
Américo de Carvalho Pita - o Pita)


Por Rosa Regis

Senhoras e meus Senhores,
Povo do meu coração,
Eu vou contar pra vocês
Uma história de ação
Que aconteceu com um rapaz
Trabalhador e capaz,
Mas teimoso como o Cão.

É a história de um colega
Que é o fino em poesia
E um grande pesquisador
De cordel e cantoria,
É um dos “Poetas Vivos
E Afins” dos mais ativos
Desta nossa freguesia.

Seu nome Américo Pita,
O conheci em Natal,
Em uma Sociedade
Que é mesmo fenomenal!
Dele, amiga me fiz,
Foi o destino quem quis.
E não há amigo igual.

Mas, deixemos de floreios!
Tratemos do caso em si.
Que foi mesmo para isso
Que comecei isto aqui.
Falemos, pois, do ocorrido
Com o colega querido,
Sem papo, sem qui-qui-qui.

Estava nosso colega
Lá no seu sítio, juntando
Folhas secas pra queimar
Feliz, só, cantarolando,
Assim... Sozinho. Ninguém
Por perto, quando lhe vem
A idéia, o quengo bolando.

Nem reparou que o vento
Estava forte e a favor
Do terreno do vizinho.
O nosso pesquisador
Riscou o fósforo e acendeu
O fogo. E o que se deu
Eu vou contar pro Senhor.

Num zupt! Mais que depressa!
O fogo se espalhou
Pelo capim quase seco
Que, rapidinho, queimou.
E as fagulhas, voando,
Foram mais e mais queimando.
E o cabra velho endoidou.

Viu logo que o fogaréu
Ao terreno do vizinho
Invadiria num instante.
E o coração, miudinho,
Com medo do que seria
A desgraça, em correria
E a tropeçar no caminho,

Uma mangueira e um balde
Pega, e começa a encher
O balde e a carregar,
Tentando o fogo conter.
Luta, em total desespero,
Já sentindo o corpo inteiro
A queimar e a tremer.

Ele, que se achava ateu,
Incrédulo, sem confiança
Em Deus, naquele momento,
Enche-se, pois, de esperança
Quando lembra que Ele existe.
E, assim sendo, persiste,
Pensando: - Deus é Bonança!

E, finalmente, consegue
Ao fogaréu debelar.
No limite! Só deu tempo
Ali, no chão, arriar.
Respiração ofegante,
Pensava naquele instante:
-Desta não vou escapar.

Pernas e unhas tostadas
E um calor infernal,
Resfolegando, puxando
O ar de forma anormal.
Todos os membros “morreram”.
E dormentes permaneceram
Por um bom tempo. Afinal,

Relaxou e se entregou
Às Mãos do Mestre Divino,
E divagou... A pensar
No tempo em que era menino,
Pensando: - Se eu escapar
Desta, prometo mudar,
Com certeza, o meu destino.

Foi passando a tremedeira...
Com lentidão, levantou
Do chão e, pro velho carro
Devagar se encaminhou.
Sentou-se à direção,
Com a chave na ignição,
Tremendo ainda, o ligou.

Foi saindo, devagar,
Em busca de atendimento
Em um posto de saúde.
Este era o seu pensamento.
Com a ajuda do Divino
Mestre, ao seu destino
Chegou. E em bom momento.

Atendido com presteza,
Foi logo encaminhado
Pelo Plano de Saúde
Ao local recomendado.
O cara estava entupido
De fumaça. Requerido
Era um local adequado.

Deu entrada no São Lucas
Indo logo pra UTI.
Atendido com urgência.
Três dias depois, o vi
Já no seu apartamento,
Sendo atendido a contento.
E, ao vê-lo, não resisti

E disse: - Vou escrever
O que aconteceu contigo.
- E espero que a lição
Te sirva, meu caro amigo!
- Tu precisas descansar.
Também parar de fumar.
Será esse o teu castigo!

E ele, muito engraçado,
De batinha aberta atrás
Mostrando o ceroulão,
Uma piadinha faz:
- Mesmo assim de batinha,
Garanto minha amiguinha,
Inda sou macho demais!

Aí, sorrindo, contou-nos
O que aconteceu consigo
Quando do primeiro banho,
A mim e ao nosso amigo
MC, que não parava
De sorrir – já gargalhava
Tanto que deu dor de umbigo.

Disse ele: - Nunca passei
Vergonha tão grande assim!
Não sei por que não mandaram
Um homem dar banho em mim!
Quem veio foi uma dona
Despachada e bonitona,
E já foi dizendo assim:

- Vamos lá tomar um banho?
- E enquanto me revirava,
Suspendendo-me da cama
A minha roupa tirava.
E aí fiquei peladão,
Nuzinho tal qual Adão,
Fazendo “quadrão” de “oitava”.

- Tal qual a Pomba da Paz,
A tal mocinha de branco
Limpava bem minhas partes.
E um pequeno solavanco
Eu senti naquele instante.
Pensei: Que coisa instigante!
De vergonha, fiquei branco.

Porém, quando nos contava
Sua façanha, ele ria
À bandeiras despregadas.
Já esquecera a agonia
Porque passara sozinho,
Sem socorro, ali, nuzinho.
E até da cirurgia.

O seu interesse agora
Só estava em conversar
E em comer, pois lhes digo:
O cabra é bom no traçar!
- É comida de hospital?
Tem nada não! Ta legal!
E garante nada sobrar.

E ainda pergunta a moça
Que lhe trouxe a refeição:
- Será que eu poço pedir
Mais um pouco de feijão?
E arrematando, com graça:
- E uma boa cachaça?
Ao menos um “quarteirão”!

Deixa mesmo o prato limpo,
Tomando o suco também.
Doença naquele corpo,
Mais parece que não tem!
Está sendo bem cuidado;
Tratado e alimentado.
Logo, logo, estará bem.

Sua filhota, a quem ama
De todo o seu coração
O acompanha noite e dia
Com total dedicação.
Mas, num ou noutro momento,
Ele ainda é rabugento
Querendo bajulação.

Sai dali pronto pra outra!
Mas disse que vai parar
Com o vício do cigarro.
Espero possa agüentar.
Pois após o décimo oitavo
Dia, Pita, o nosso bravo
Poeta, volta a fumar.

Achando-me sua amiga,
Atrevi-me a lhe puxar
As orelhas, lhe passando
Um sermão, pra variar,
Dizendo: - Queres viver?!
Então pares de beber
E, é claro, de fumar!!

- Espero que, pro seu bem,
Você cumpra o prometido!
Porém, se não conseguir,
Não deixa de ser querido.
- Um abraço, meu caro Pita,
Da amiga que acredita
Em ti em qualquer sentido.


Fim




Natal/RN - Brasil
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 07/02/2010
Alterado em 04/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.