Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


O VERDADEIRO SABER É SABER-SE IGNORANTE

(O NEOPLATONISMO
EM NICOLAU DE CUSA)


Por uma graça divina
Há em tudo que existe
No Universo um desejo.
Esse desejo consiste
A, de forma natural,
Ser o melhor. Como tal,
O desejo em si, persiste.

E o homem traz em si
A ânsia de conhecer
A verdade, e, assim, busca
O Verdadeiro Saber.
Mas usando a inteligência
Descobre que a sapiência
É assumir não saber.

Pois a douta ignorância
É o homem reconhecer
Sua própria ignorância
E dela, então, se valer
Pra mostrar que aceita, agora,
Saber que ele ignora.
E é este o real saber.

E segundo Nicolau
De Cusa, o não saber
Ou a douta ignorância,
Leva o homem ao conhecer.
Pois o saber-se ignaro,
Levará o homem, é claro!
A buscar pelo Saber.

E se cada coisa tem
Um fim próprio e natural
Que a Essência determina,
O fim do homem, afinal,
É sempre, em todo o sentido,
Buscar o desconhecido
De forma intelectual.

É usando a capacidade
Que ele tem de pensar
Que o homem, em realidade,
A verdade irá buscar.
Porém por mais que ele tente,
Ela mesma não consente
Ou não se deixa acessar.

Pois o Infinito, em sendo
O que é, não deixará
Que o finito a conheça.
E, em sendo assim, só será
Possível ao homem entender
Que ao Verdadeiro Saber
Ele jamais chegará.

E nenhum outro saber
Mais perfeito poderá
Advir do ser humano
Do que ele se pensar
O maior dos ignaros,
Pois isto o leva, é claro,
Ao Saber Maior buscar.
...
Nicolau de Cusa diz:
- De Máximo, posso chamar
A quem, relativamente,
Nada maior lhe será.
Mas só ao Uno convém
Plenitude. E Ele a tem.
Nada a sobrar ou faltar.

Ele é o máximo e o mínimo
E em tudo, tudo Ele está,
Sendo Ser absoluto
Tudo possível fará.
Das coisas nada tirando,
E o todo e tudo, ao seu mando,
De Si, se derivará.

A Verdade precisa, em si,
Jamais se irá conhecer
Pois a nossa finitude
Não terá como ascender
À Divina Infinitude.
E nada há que isto mude
E nos faça acessar o Ser.

O intelecto humano
Poderá ser comparado
A um polígono que busca
Ao Círculo ser igualado
Mas as possibilidades
Dos dois, nos diz, na verdade:
Só os faz aproximados.

Só de forma incompreensível
Do Máximo se pode ter,
Com a nossa finitude,
Um pouco de conhecer
Porque o nosso intelecto
Está muito aquém, por certo,
Do Verdadeiro Saber.

E o máximo passa a ser Nada,
O mínimo que possa ser.
E atinge, assim, o começo
Do TODO que TUDO é.
Sendo, a simplificação
Máxima, pois, que leva, então,
Ao Inatingível Ser.

Para entender-se melhor,
Ter melhor compreensão,
Maximiza-se o máximo
E o mínimo – onde, então,
Coincide máximo e mínimo
Onde o Ser torna-se ínfimo
E é toda a sua extensão.

E, aí, o Nada é Tudo:
O TODO que NADA é,
É Deus – Luz máxima e mínima
Que a nossa mente não vê.
E na sua simplicidade,
Nossa razão, em verdade,
Não acessa. Apenas crê.

O Um - a unidade simples
Não pode ser comparado
Ao Uno – ao Deus imutável
Pois o um pode ser mudado,
E Deus é Uno, é completo.
Não sobra ou falta – é repleto.
Sendo, pois, de lado a lado.

Deus não é multiplicável!
Ou nada lhe caberá
Como soma ou como acréscimo,
E nada lhe poderá
Ser tirado. Ele É.
E a Ele, só pela fé
O humano acessará.

O Máximo, Deus, a Verdade
Ontológica, é o SER.
É o Ser máximo e simples
Sem o qual nada há de haver:
É o TODO. É o TUDO!
E isto me deixa mudo
Pois é o Ser e o não-ser.

É Verdade máxima que
Na sua maximitude
Simples, nada, nada alude,
Pois Ele É ou não é
Sendo e não sendo, também
Ou não sendo também Sendo.
ELE é o que tudo contém.

Ele é o Ser Superior
À quem nada faltará.
Nem o Ser nem o não-ser
De Sí irão escapar.
Penso, ignorantemente,
Que Deus, necessariamente,
É o NADA, onde tudo há.

Deus, contracto absoluto
Unido ao seu igual,
A Cristo, seu único filho,
Entra em contato, afinal,
Com as suas criaturas
Que são imagens, impuras,
Do Grande, o Transcendental.

E o Igual, que é quem está
Entre o Ser Superior
E o inferior, fará
Que os dois, pelo Amor
Se igualem a Sí, ao Igual,
Conexão principal.
Unindo o servo ao Senhor.

E, assim, subtraindo...
(o estudo tras-me emoção)
Vai seguindo, vai seguindo...
Para a Simplificação
(nisto creio e não me iludo)
Que é o começo de tudo,
A origem da criação.

E Deus está complicado
Em tudo que possa haver
Vai do simples ao complexo,
Do feio ao mais belo ser.
No bruto e no refinado,
No grosseiro e no educado
Deus é Essência – seu Ser.

Porém, para que se tenha
Pelo menos a noção
Do conhecimento dEle,
Necessários se farão
Ao homem o conhecimento
Em si e o entendimento
De que seu saber é vão.

Pois que, para Nicolau
De Cusa, o real saber
Do homem é a consciência
Que este deverá Ter
De que é mesmo ignorante.
E assim, daí por diante
Buscará o conhecer,

O conhecer do caminho
Que o poderá levar
A Deus – Unidade Trina
A quem vive a procurar.
Porém, em finito sendo,
Só o saber terreno tendo,
Ao SER não alcançará.


Rosa Regis

Entre 2004 e 2006
Reeditado em 05 de maio de 2010

Natal/RN - Brasil
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 06/05/2010
Alterado em 21/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.