Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


ESPERANDO SER ATENDIDA
PELA MINHA GERIATRA
(Série Consultório)



Autora: Rosa Regis

Mais um bom tempo de espera
Agora, é geriatria.
Há dois meses que marquei!
Mais tempo, e esqueceria.
Isto merece um cordel.
Tendo inspiração, faria.

Finalmente chega o dia!
Mas como estou trabalhando,
Só vou no final da tarde.
Pelo menos, esperando,
Vou ficar bem menos tempo!
Com meus botões vou pensando.

O ônibus, sacolejando,
Faz-me quase adormecer,
Quase perdendo a parada!
E, na hora de descer,
Para puxar a cigarra,
Pulo. Preciso crescer.

No sinal, passo a correr
Pois, achando-me atrasada,
Penso que a minha consulta
Poderá ser cancelada
E, aí, será mais dois meses.
E isso põe-me irritada.

Pergunto, logo à entrada,
À moça da informação,
O andar que a médica atende.
Ela, com grande atenção,
Informa: No sétimo andar.
E sossego o coração.

Sigo, prestando atenção.
Localizo o elevador,
Entro e aperto no 7
Que vai levar-me onde eu for.
Ao chegar no Sétimo andar
Já estou sentindo calor.

Porém não há qualquer dor!
E agora, vendo vazia
A sala da atendente,
Que eu pensei que seria
A de espera da médica,
Vi-me cheia de alegria.

Na certa ela atenderia
A mim imediatamente!
Pensei eu, comigo mesma.
Mas, em seguida, demente
Achei-me, pois outra sala
Cheia eu vi, de repente.

Eu era uma paciente
A mais que ia esperar
Ao menos um par de horas
Até a noite chegar.
Pego papel e caneta
E aí passo a rabiscar.

E vamos a esperar...
Pois que, bem já no final
Da tarde uma paciente
Que está passando mal
Teria que entrar na frente.
Isto é mais que natural!

Fugindo um pouco ao normal,
Um Senhor, ao celular,
Conversa animadamente!
Parece negociar.
E aí uma Senhora
Vem meu pensar confirmar.

Pois passa a lhe perguntar
Se é fulano de tal
Com quem ela trabalhou
Há tempo aqui em Natal.
E o homem, confirmando,
Faz do papo um recital.

Mulher simples, coisa e tal,
Diante daquele "nobre"
Pelo poder, pois o mesmo
É rico, é cheio de cobre,
Passa logo a elogiá-lo
Qual um sino em belo dobre.

E o Senhor, pra que não "sobre"
Em meio a tanto elogio,
Sendo ex-patrão da Senhora,
Mostrando decência e brio,
Perguntou onde ela estava.
Ela respondeu: No Rio.

Eu, cá por dentro, sorrio
Pois não consigo conter
A minha admiração
Ao observar um ser,
Que se acha pequenino,
Bajulando um "grande ser".

Mas chego a me enternecer
Com aquela criatura
Que mostra em seu papear
Ter uma alma bela e pura,
Pois deixa transparecer
Nas palavras com ternura.

E ainda um bom tempo dura
O papear e a espera.
Procuro me distrair
Escrevinhando. Quem dera!
A cabeça está cansada.
E aí o pensar "manera".

Mas o papear impera
Entre os dois e, curiosa
Que sou, continuo ouvindo
A mulher que, toda prosa,
Ouve o Senhor, demonstrando
Ser uma ouvinte zelosa.

E o prazer que ela goza
Em ouvi-lo, transparece
Em seu rosto envelhecido
Que, como se estando em prece,
Bebe as palavras do homem
Que ao seu ser embevece.

A atendente obedece
A sequência, e ao Senhor
Chama. Mas ele, educado
Que é, fala: - Por favor!
E à mulher cede a vez.
Mas ela diz: - Não Senhor!

Agradece com fervor.
E aí passa a conversar
Com alguém que ao meu lado
Sentou-se e, a papaear
Continua. E eu continuo
Danada a escrevinhar.

A mulher passa a falar
Do que à mente lhe vem:
Fala de quem ela odeia
E de quem ela quer bem.
Meus ouvidos são antenas
Que a tudo pega e retém.

Mas uso o que me convém,
Continuando a escrever.
Agora, só faltam duas!
Penso: Eu vou me deter!
Já deverei ser chamada.
Isso me causa prazer.

Imagino o que fazer
Pra terminar o cordel,
Qual será a conclusão
Que passarei pro papel.
Então aquele Senhor
Sai. E é sopa no mel!

Como tirasse um chapéu
Imaginário, ele faz
Uma reverência à "colega"
De muitos anos atrás,
Dando-lhe um "breve adeus"
Talvez para nunca mais.

Eu continuo no cais
Da minha imaginação,
Puxando pela memória
Pra criar a conclusão
Do meu cordel que, parece,
Que não terá solução.

Porém o meu coração
Bem tranquilo, compassado
Bate, pois o meu pensar
Só está preocupado
Em terminar o cordel
Pra logo ser editado.

Ouço a mulher ao meu lado
Despedir-se do Senhor
E o mesmo a despedir-se
Com ar deferenciador,
Àquela pobre coitada
Fazendo um "grande favor".

Observo um sofredor
Ai, daquela paciente
Que está sendo acompanhada
Pela tal mulher "carente"
Que esquecera um pouco a mãe,
Voando às asas da mente.

Quem estava á minha frente
Já entrou faz um tempinho.
Eu lembro da minha mãe,
Vendo a falta de carinho
À mãe daquela Senhora.
E vêm-me um pensar daninho...

Pensar em redemoinho,
Como que de longe... ouvi
A atendente chamar-me
E, com vagar, me ergui.
Ela disse: - Pode entrar!
Entrei e logo saí.

Afinal dali parti
Com os encaminhamentos
Para os exames de praxe
Que são, enfim, elementos
Básicos e essenciais
A um tratamento, ademais.
Fui-me com meus pensamentos.


Natal/RN - 07 de junho de 2010.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 19/08/2010
Alterado em 14/12/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.