Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos



Uma Incelença ao meu ex-amor.


Com uma “Coberta d’alma”
Eu fui ao teu casamento,
Era a roupa de um defunto
Que eu ganhara no momento
Da morte de uma vizinha
Que uma roupa nova tinha.
Ganhei como “paramento”.

Um paramento que era
Oferecido, afinal,
A alguém: amigo ou parente,
Pra seguir no funeral
De alguém que a roupa comprou
Mas a mesma não usou.
Era homenagem legal.

E a pessoa que usava
A “coberta d’alma” era tida
Como sendo o próprio ser
Que ali jazia sem vida.
E, assim, era abraçado
E por seu nome chamado
Na hora da despedida.

Era-lhe oferecida
A “última” alimentação
E o último copo d’água
Com amor, com emoção.
E aí, quem ali estava
Ao morto representava
Com presença e com ação.

Vestido com a roupa nova
Do morto e alimentado,
Vem, enfim, a despedida
Quando será dispensado.
Representando o defunto,
É “encomendado”. E junto
Aos outros, vela o finado.

“Vai em paz e deixa em paz
A todos que aqui estão”!
Era assim recomendada
A alma do tal cristão,
Todos juntos a pedir
Praquela alma seguir
Em busca da salvação.

Um cortejo onde domina
O preto, segue, afinal,
Acompanhado de música
Cantada por um coral,
São “Incelenças” criadas
Às almas que, encomendadas,
Seguem o caminho final.

E ainda, no Sétimo dia,
Com “a coberta d’alma”, então,
À missa, quem a ganhou,
Irá, fazer oração
À alma do falecido.
E eu fui com aquele vestido
Cinza, qual meu coração.

Pra minha infelicidade
A Missa de Sétimo Dia
Era, também, na verdade,
Uma missa de alegria
Para um casal de pombinhos
Que ali trocava carinhos,
Plenos de amor e euforia.

O dia do casamento
De alguém que nunca esqueci.
E ao passar pelos dois,
Para não chorar, sorri.
Sentei atrás, disfarçando
Lágrimas de fel que, teimando,
Dos olhos descer, senti

Tu, na tua roupa bege,
Que me lembra algo sem cor;
Eu na minha roupa cinza
Que me lembra a cor da dor
Que eu sinto por ter perdido
O meu ente mais querido,
Quando perdi teu amor.




Rosa Regis, Natal/RN – 21 de novembro de 2010.
Às 12:21h – Hora de Brasília


Rosa Regis, Natal/RN – 21 de novembro de 2010.
Às 12:21h – Hora de Brasília

1.As Incelenças (Língua portuguesa: Excelência por corruptela) é um gênero musical brasileiro, típico da Região Nordeste do Brasil. Tradicionalmente atreladas a costumes fúnebres, o termo Incelença remete uma ampla coleção de pequenos cânticos, hinos e benditos executados durante velórios, missas de sétimo dia e festividades relacionadas ao Dia de Finados.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 21/11/2010
Alterado em 16/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.