Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


O DIA FATÍDICO
(UFRN )
TRILHAS POTIGUARES 2001


A saída foi marcada
pras oito daquele dia,
ou oito e trinta, e nada
mudar isso deveria.

Mas só pelas dez ou mais
é que a saída ocorreu,
pois Federico... É demais!
Lançar as notas, esqueceu.

Além de outras pendências,
segundo ele, atrasadas!
Oh, Deus!... Dá-me paciência
para curtir tais maçadas!

Dos catorze componentes
que, agora, treze seria,
surgem tão só oito entes,
incluindo Oscar e Lia.

Finalmente estamos prontos
para a “bendita viagem”.
Embarcamos meio tontos,
misturados à bagagem.

Alguns vão com o Federico
que tomou a dianteira.
E a pensar me dedico,
porém só penso besteiras.

O motorista é zangado.
E mostra estar descontente
com seu trabalho – afobado,
corre, sem pensar na gente.

Passa por cima de tudo
como quem está fugindo,
e o grupo fica mudo
proteção a Deus, pedindo.

Chegamos a São Gonçalo,
finalmente. E com alegria.
Mas a casa em que ficamos,
estava sem energia.

Enfrenta-se à luz de velas
a noite que começou.
Porém, não muito mais tarde,
pelas oito, a luz chegou.

Durante esse meio tempo
jantamos. E, pra começar,
fomos a Poço de Pedra,
o trabalho iniciar.

A estrada, nada boa,
Sem lua, não dá p’ra ver
poços... pequenas lagoas
onde vamos nos meter.

Mas, finalmente, chegamos.
E o povo que nos espera
é mais do que esperávamos.
E isso alegria gera.

Porém os poçopedrenses
que estão a nos esperar,
não sabem ao que viemos
ou o que vamos ofertar.

Os jovens são mais abertos.
Mas os idosos, nem tanto!
Bastante desconfiados,
retraem-se a um canto.

A Emília quer tirar fotos
mas só a máquina ela trouxe.
Esqueceu que sem as pilhas
não funciona. Danou-se!

Sãozinha apresenta a turma,
À Elaine passa a palavra
que apresenta os componentes
Das Trilhas naquela lavra.

Federico fala ao povo
da nossa proposição
de trabalhar em conjunto
com toda a população.

Emília dá uma amostra
do que será trabalhado
durante as duas semanas,
conforme fora acertado.

Procura mostrar o que
de melhor se poderá
aproveitar nestes dias.
De como trabalhará.

Fala sobre as Oficinas
e dos Cursos que serão
oferecidos ao público
com toda dedicação.

Do que se poderá ter
de lucro, ao se resgatar,
da melhor forma possível,
a memória do lugar.

Boa parte das pessoas
dos cursos, estão querendo
participar – numa boa!
Já querem ir-se inscrevendo.
-
Voltamos a São Gonçalo,
todos bastante cansados.
Porém, para nossa sorte,
a luz já tinha chegado.

E, enfim, a preparação.
Pois todo o material
que será utilizado
tem que estar organizado
para o trabalho, afinal.



Rosa Regis
Natal/São Gonçalo do Amarante-RN
09 de julho de 2001
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 08/03/2011
Alterado em 03/08/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.