Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


SAUDADE DO CANDEEIRO

comentando
("O candeeiro na rua - Ou
a simplicidade mais absurda
de fugir a agarrar o que nos
mais convém e dá alento")
de Ricardo Barras, no POESIA PURA


O candeeiro fugiu!
Fugiu aterrorizado
Com medo da luz elétrica
Que o pôs quase apagado.

Fugiu, deixando saudades
Aos casais de namorados
Que a penumbra das cidades
Punha mais aconchegados.

Sua chama tremeluzente
Apagou-se. E ele sente
Que tomaram seu lugar

Hoje, já não há espaço
Para si. E nenhum traço,
De si, ficou pra lembrar.


Rosa Regis
Natal/RN-Brasil
09.03.2011 – 20:15h
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 09/03/2011
Alterado em 03/08/2014

Música: VI - BETHOVEN

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.