Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


 

O HOMEM DE PEDRA
Texto original: Rosângela Trajano,
cordel: Rosa Regis

Ilustração:
Danda


Às crianças de Serra Nova, com carinho.
 
Era uma vez uma bruxa
Muito exigente e malvada
Que vivia a assustar,
Alta noite, à criançada.
 
Voava numa vassoura
À Meninada assustando
Porém, pra sua desdita,
A vassoura findou quebrando.
 
Por mais que ela ordenasse:
- Voe! Voe!... A vassourinha
Já não atendia mais
As ordens da tal bruxinha.
 
Chamou o seu gato preto
E o mandou dar um recado
A um homenzinho que sempre
A ajudava de bom grado.
 
Sendo o tal homem bondoso
E rico, nada cobrava
Pelo serviço prestado.
Isto muito a agradava.
 
Pegou suas ferramentas
E ao gato preto seguiu.
- Conserte! Disse-lhe a bruxa.
Nem por favor, lhe pediu.
 
O homem tentou de tudo
Para lhe satisfazer
Porém, no fim, afirmou
Que não tinha o que fazer.
 
- A vassoura está sem jeito,
Não há como consertar.
- Você está me mentindo!
Pôs-se a bruxa a gritar.
 
- Você está caducando!
- Nada mais sabe fazer!
O homem volta pra casa
Tristonho, sem responder.
 
O seu cachorrinho vem
Recebe-lo com alegria
Porém a bruxa malvada
Usa a sua bruxaria.
 
Transforma-o em pedra, e o feitiço
Dela só iria acabar
Quando alguém, ele, por dentro,
Fosse capaz de enxergar.
 
Ali, com braços abertos,
A espera do seu cão,
Ficou, pois, aquele homem
Dono de um bom coração.
 
Assim, passaram-se séculos!
Veio a industrialização,
A vila virou cidade.
Tudo mudou, ele não.
 
Uma estátua de pedra,
Patrimônio da cidade.
Era assim que todos viam
Aquele ser em verdade.
 
O orgulho do prefeito;
A atração do turista.
Porém a beleza interna
Jamais por ninguém foi vista.
 
Assim, centenas de anos,
Desta forma ele vivia
E quase que a esperança
De ser notado morria.
 
Porém, numa noite fria
De inverno, uma criança,
Trouxe-lhe de volta o fio
Daquela leve esperança.
 
Protegendo-se do frio,
Ao seu lado, ela notou
Que nele havia vida.
E isto a espantou.
 
Os seus olhos se moviam,
Batia-lhe o coração.
Viu nele bons sentimentos:
Bondade, amor, compaixão.
 
Viu nele um homem, em verdade,
E o abraçou com carinho.
O feitiço foi quebrado.
E com ele, o destino azinho.
 
O homem disse à menina
O que lhe tinha ocorrido,
A história da bruxa má
Com todo o acontecido.
 
Viu-se sem casa, sem roupa,
Sem comida, água... nada!
Valeu-se da menininha
Mas ela, pobre coitada,
 
Que era menina de rua,
A ele estava igualada.
O homem, de compaixão,
Sentiu no peito a pontada.
 
Porém disse à meninha:
- Não tem nenhuma importância!
Cuidaremos um do outro
Seja em qualquer circunstância.
 
E de mãos dadas, os dois juntos,
Saíram a caminhar
Na chuva, que parecia,
Que estava, naquele dia,
Com os dois a comemorar.
 
2009
Rosa Regis e Rosângela Trajano
Enviado por Rosa Regis em 29/03/2011
Alterado em 05/02/2018

Música: V SINFONIA - BETHOVEN

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.