Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


A EDUCAÇÃO E O CORDEL
 NO BRASIL COLONIAL
 
Por Rosa Regis
 
Uma introdução
 
A Fessôra Maria Emílha
Montêro Porto me fei,
Prumode eu faze cordé,
Um convite – e aceitei.
Isso já fai argum tempo:
Taivei mai de quato mei!
 
Já tinha inté misquicido
Do convite pro cordé
Quando, um dia, futucando
Os meus i-mei, dei fé
Dos i-mei da fessorinha
E, de sentada, pui-me im pé.
 
Eita, danado! E agora?!
Tasquei o i-mei pra mué!
Mai ela, lá nas Oropa,
Cuma quem qué e num qué,
Dixe: - Te acaima, Rosinha!
Cum caima tudo dá pé!
 
 
Mai eu, qui sô afobada,
Mandei brasa a pesquisá
As históra do Brasí
Logo dispôs que Cabrá
Discubriu a nossa terra,
Navegando pelo má.
 
Cuma ela mi pidiu,
Enton-se eu tasquei a mão
A pesquisá pra sabê
A foima de educação
Qui os portuguei apricaram
Nos índios nossos irmão.
 
E nos nêgo, qui tiveram
Seu vivê modificado,
Quando foram, à força bruta,
Da sua terra arrancado
E que, além de apanhá muito,
Dormia acorrentado.
 
E istudei a curtura
Herdada de Portugá,
Que o nosso povo aproveita
A vessejá e a rimá,
Contando as aventura
Im terra e, tomem, no má.
 
 
E vô passá pra vocei,
Agora, o meu cordé
Qui fii im linguage curta.
Cê sabe cuma é qui é.
Nossa linguage matuta
Ninguém num aceita, né?
 
Rosa Regis
 
Natal, 17 de setembro
Acho que foi em 2009...
 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 09/07/2011
Alterado em 28/10/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.