Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


Quando eu era pequenina
A minha mãe me contou
A história de um menino
Que o Criador enviou
Pra salvar a humanidade
Que o pecado condenou.
 
Eu deitava no seu colo
E ela me acariciava
Com o seu amor maternal
Enquanto em versos cantava
A história do Natal.
E assim ela começava:
 
- Esta história é verdadeira,
Não é de “era uma vez”,
Antes de todos os tempos
Nosso criador nos fez,
Fazendo todo o Universo
Com amor e sensatez.
 
Criou o Céu e a Terra,
O mar e os vegetais;
Peixes, algas e crustáceos,
E todos os animais.
Dentre estes, os humanos
Com o comando dos demais.
 
Mas o humano Ele fez
Sendo de SI semelhança,
Não por fora, mas por dentro,
Pondo nele a confiança
De comandar toda a terra
Com respeito e com bonança.
 
O pôs no Jardim do Éden
E fez-lhe uma companheira
Para que vivessem juntos
Durante uma vida inteira
Crescendo e multiplicando
Em união verdadeira.
 
Deu-lhes o conhecimento
Que seria essencial
Para um viver sem problemas
E na Paz Celestial,
Só não podiam comer
O fruto do bem e do mal.
 
Tinha Deus, ao seu comando,
Também, anjos que ajudavam
Como guias dos humanos.
Quando estes necessitavam
De algum esclarecimento
De pronto os anjos lhe davam.
 
Porém num certo momento
Um dos anjos invejou
A posição de Deus Pai,
Que tudo vê, e notou
O mal pensar do seu anjo.
Assim, do Céu, o expulsou.
 
Lúcifer
[i], que era o anjo
A quem Deus Pai expulsou
Do Céu, criou para si
Novo reino, e começou
A tentar trazer pra si
Os seres que Deus criou.
 
Sendo, então, Adão e Eva,
Pois, os primeiros humanos
Dos quais a Bíblia nos fala
Pra quem Deus tinha seus Planos
De comando sobre a terra,
Quem sofre os primeiros danos.
 
Pois Lúcifer, transformado
Numa cobra, no Jardim
Do Éden, onde viviam
Adão e a mulher, enfim,
Vem mostrar sua peçonha
Falando pra Eva assim:
 
- Vocês sabem por que Deus
Proibiu-os de comer
Dos frutos daquela árvore?
Não sabem! Os faço saber:
Ele não quer que vocês
Adquiram o conhecer.
 
O fruto daquela árvore
É um fruto especial!
Se vocês dele comerem
Vão saber, e isto é real,
De forma clara, o que é
Que quer dizer Bem e Mal.
 
E Eva, não resistindo
A tão grande tentação,
Comeu o fruto que dava
Saber e condenação,
Além de oferecê-lo
Também ao marido, Adão.
 
Quando Adão comeu do fruto
Logo, logo percebeu
Algo estranho: Estavam nus!
Com rapidez se escondeu
Junto com sua mulher,
Quando Deus apareceu.
 
E Deus vendo que Adão
E Eva tinham seguido
Orientações de Lúcifer,
Daquele anjo caído,
Deu um castigo ao casal
Já, agora, arrependido.
 
Teriam que trabalhar,
Suar para conseguir
O alimento pro corpo
E daquele jardim sair.
Dali em diante o homem
Só buscou se denegrir.
 
O Anjo que Deus amava:
O “Estrela da Manha”,
Que era o significado
De “Lúcifer”, no seu afã,
De ser Deus, nos trouxe a morte
Com a sua ação vilã.
 
Pois a partir do momento
Que Deus castigou Adão
A trabalhar pro sustento,
Também criou a ação
Do seu envelhecimento
E morte, sem compaixão.
 
Por milênios, ou por milhões
De anos, tais criaturas
Sofrem longe do seu Pai,
Como se fossem figuras
Deslocadas do real,
Tão só fazendo loucuras.
 
Morrem uns e nascem outros
Sem qualquer uma esperança
De voltarem à vida eterna.
Já nem têm mais lembrança
Pois Adão, quando pecou,
Desfez, com Deus, a aliança.
 
Nações mais nações que passam
Com deuses imaginados,
Cada qual com um comando
E com diversos legados,
Porém perdidos num mundo
Onde comanda os pecados.
 
Até que Deus, condoído,
Por ver tanta perdição,
Em sendo Pai, imagina
Um meio de salvação
Para as suas criaturas
Pois não os criou em vão.
 
E, em sendo Bondade Pura
Sem qualquer mancha ou bolor,
Sai de SI, seu próprio FILHO,
O FILHO DO CRIADOR!
Propondo o seu sofrimento
Pelo povo pecador.
 
Um dia, uma linda moça
Que se chamava Maria,
Filha de Ana
[ii] e Joaquim,
Que em Nazaré residia
Teve a visita de um anjo
Que, saudando-a, lhe dizia:
 
Bendita és, oh Maria,
Rainha cheia de luz!
Pois tu foste abençoada
E o teu ventre conduz
O Salvador prometido
A quem chamarás Jesus
[iii].
 
Maria cai de joelhos
[iv]
E agradece ao Pai Eterno
Por ter merecido a glória.
E no seu coração terno
Já sente o amor maternal
Por Jesus, amor fraterno.
 
José, o seu prometido,
Ao mesmo tempo, sonhou
Com o que ocorreu com Maria
E enciumado ficou.
Porém um anjo enviado
Ao mancebo consolou.
 
A partir desse momento
O mundo tem, garantido,
A proteção de Deus Pai
Através do seu querido
Filho, Jesus, nosso irmão,
Como havia prometido.
 
25 de Dezembro
Foi o dia abençoado
Em que nasceu Jesus Cristo
O Menino Deus mandado
Pra livrar a humanidade
Da maldição do pecado.
 
Glória, demos ao Menino
Santo, chamado Jesus,
O Salvador do Universo,
Fonte de Verdade e Luz,
Que a Terra veio um dia
E disse que voltaria.
E por nós morreu na cruz.

 

Natal/RN
 
Novembro de 2011
 

Rosa Regis
 
[i] Lúcifer – o anjo caído o “Estrela da manhã”
 
[ii] Maria, filha de Ana e Joaquim -  sua genealogia é dada em Lc 3. Era da tribo de Judá e da linhagem de David (Sl 132:11; Lc 1:32). Estava ligada, pelo casamento, a Isabel, que era da linhagem de Aarão (Lc 1:36).
 
[iii] Assim, através de Maria, Deus cumprira a promessa feita no Éden, de que Ele nasceria da semente da mulher(Gn 3.15); cumprira a profecia dada por Isaías, de que nasceria de uma virgem (Is 7.14); e através do seu casamento com José, cumprira também a profecia dada por Jacó (Gn 49.10), e ratificada ao longo da história de Israel, de que Ele nasceria da tribo de Judá, da descendência de Davi (Sl 60.7; l08.8; Is 11.1; At 13.23).
 
[iv] Em Lc 1.46-55, vemos Maria glorificando ao Senhor, em agradecimento pela bem-aventurança de ter sido gerado no seu ventre o Salvador. Reconheceu que isto foi o cumprimento da promessa de Deus dada aos pais, por misericórdia demonstrada a Abraão e sua posteridade (Lc 1.54,55).v


 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 23/12/2012
Alterado em 26/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.