Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


A FOFOQUEIRA DO BREJO E O CASTIGO DE DEUS


Aos meus queridos leitores
Que, um dia, ainda terei,
Eu vou contar uma história
Que um certo dia escutei
Numa visita saudosa
Ao lugar onde morei.

Não só onde eu morei
Mas, também, onde nasci
E dei os primeiros passos
E também onde aprendi
A ler as primeiras trovas
Por quem, de amor, me perdi.

É uma história engraçada
Mas, em sua base, feia.
A história de uma mulher
Que o veneno alardeia
Através da sua língua,
Falando da vida alheia.

Basicamente um monólogo.
Pois a outra só escuta
O que a faladeira diz,
Continuando na luta
Que enfrenta dia a dia,
Sem parar sua labuta.

E aí vai a conversa
Ou o monólogo, pois a
Faladeira tão somente
Fala... fala... sem parar!
Ficando sua vizinha
Tão somente a escutar.

Vai chegando a fofoqueira,
Com um sorriso cara,
No terreiro da vizinha
Que o está varrendo, não pára,
Tentando evitar conversa
Com aquela "peça rara".

Mas a fofoqueira não nota
A frieza. Ou não quer notar!
Chegando toda risonha,
Sem nem um bom dia dar.
E, sem mais essa ou aquela,
Já começa a fofocar.

Assim começa a fofoca

- Ternontonte, eu fui na casa
De cumade Mariquinha
E sabe quem táva lá?
Muié, tu num advinha!
Num era Chico Tumé
Fio de Sinhá Mocinha!

- E tu sabe qui Chico é
Um caba muito safado!
Namoradô... inxirido...
E véve oiando di lado,
Se babano di desejo
P'ru Zéfa de Seu Conrado!

- Num é qui o caba safado,
Qui tomém já anda arrastando
As asa p'ra Filomena,
A fia de Seu Debrando,
Táva lá, todo assanhado!
Mais u'a muié cantando:

- A Davinha de Ontonha,
A mais véia das dei fia
De Ontonha de Mané,
Qui mais parece cutia,
Páre um fio todo ano.
Ô muié boa de cria!

- E agora m'alembrei
D'outa coisa, minha fia!
Apoi, tu num sabe... a Zefinha
Fia de Zé de Luzia?...
Aqueeeéla piquinininha
Qui usa o shote na viria!

- Poi num é qui a disgraçada
Arranjou u'a barriga!
Tá preeeeenha!... de três mei!
Ainda num há quiem diga.
E diz qué do fio de Inei
Aquele!... fei p'ra bixiga!

- A mãe tá disisperada!
Sem sabê o qui fazê.
Já fei u'a xaropada
E deu p'ra fia bebê.
Mai... quem dixe qui siiviu!!
A fia vai, mermo, é tê!

- E a fia de cumade
Jusefa de Malaquia!
A mai véia das minina,
A qui si chama Maria
Mai qui a gente cunhece
Pelo apiliido de Bia.

- Aquela tomém tá prenha!
Mai a mãe p'ra iscondê
A barriga da sua fia,
Mandô, dipressa, fazê
Um vistido deferente,
Cum u'a saia godê.

Rá, rá, rá, rá, - Coitada dela!
Daqui uns dois mei ou trei,
Quero vê o qu'ela vai
Fazê p'ra iscondê de vei
A barriguinha da fia
Qui já tará cum seis mei!

- E do jeito qu'ela é
"Cheia de nó pelas costa",
Vai tentá inganá nóis,
Posso inté fazê aposta!
Mai num pode iscondê c'á fia
Tá do jeito qui o diabo gosta.

- Amelinha de João Branco
Tomém têve sua vei:
Sabestaiou p'ro Zezito
E já tá cum mai d'um mei!
E a cumade, sua mãe,
Quage morre de aperrei.

- Manéco!... prendeu a fia
P'ra num sair mai de casa
Poi arreparou c'á danada
Era quente quiném brasa!
E o falatóro na rua
Táva deixano ela rása.

Hum!... - Pensa qui deu geito?!
Num deu foi geito ninhum!!
Foi ela quem deu seu geito!
E só ouve o zumzum
Qu'ela aprontou c'um rapai
Das banda do Jerimum.

- É um tá de Anacreto.
Num seio se tu cunhece!
Um arto, de oio azu
Qui, meu Deus!... inté parece
Um anjo, de tão bunito!
E aquela peste merece?!

E aí, uma reação,
Que já não era esperada
De uma ouvinte tão passiva,
Deixa a outra atarantada.
Pois Madalena, que é o nome
Daquela, fala espantada:

- Mai, Cuma foi qui tu dixe?
Eu num acredito não!
E logo aquele minino
Fio de cumpade João?!
Um mínimo tão bunito,
Tão camarada e tão bão!

E a fofoqueira, Maroca,
Que era esse o nome seu,
Confirma, com um balançar
Do "quengo" que Deus lhe deu.
E continua a falação.
À Madalena, interrompeu.

- Tu tais pru fora, cumade!
Aquela cara bunita
É safaaaado! Inguamente os ôto!
Poi, tu num sabe a Rita
Fia de Seu Zacaria?
Pois é... aquela cabrita!

- Num é qui sinrabichô
Tomém pela bela cara
De Anacreto, qui nem
À desgraçada incara!
Mai nem purisso dexô
De saxtifazê sua tara.

- Imbuxô a miseráve
E, dispôs disso, tirô
O bracinho da siringa!
E p'ra capitá se mandô.
E o pai, ôto sem veigonha,
Ao safadão apoiô.

Madalena, muito calma,
Diz: - Cumade, toma geito!
Dêxa de falá do povo!
Isso é um grande defeito.
Pode sê qui Deus castigue
E tu sofra cuma efeito.

- Qui nada, cumade! Diz
A fofoqueira. E seguindo,
Sem dó e sem piedade,
A imagem denegrindo
Dos seus próprios conterrâneos,
A fofocar sempre rindo

- Porém, mudando de pau
P'ra cacete, minha fia!
Tem u'as históra booooa!...
Qui eu sube ôto dia,
Daquele fio de Berta!
Berta de Sinha Maria!

- Aqueeeele!... Deus me perdoe!
Há muito q'eu já sabia!
O seu jeitinho de andar...
Só a mãe num discunfia,
Pruquê num qué, qui o "bichinha"
Num é um fio, é fiiiiia!

- E o Manezinho de Caima,
Neto do véi João do Vale!
Aqueeeele!... é iscancaraaaado!
Num hái quem dele num fale.
Mai, se aparece o avô,
Num hái quem a boca num cale.

- E Caquinho... aquele galego
Dos cabelo cachiado!
Parece um anjinho lôro!
O pai dele!... ai, ai, coitado!
Quage morre de disgosto
Quando sôbe q'éra viado.

- E qui... rá, rá... minha fia,
O amante do "fião"
Era o seu genro, o Mané,
O mitido a "machão"
Qui é casado cum Zabé
Qui já tá de barrigão.

- E tu num sabe o Justino?
O fio de Maigarida!
Aquela qu'é professora,
Toda mitida a sabida!
Pois é minha fia!... O Justino
Tomém discaiu da vida.

- De mitido a namoradô
Qu'éra só p'ra iscondê
Do qu'êle gostava mermo,
Agora!... qué nem sabê!
Sacode as pena do rabo
E rebola p'ras nêga vê.

- A coitada da Maigarida
Passou bem uma sumana
Em casa, amufumbada,
Arriada numa cama
Arrenegando da sorte
De tê um fio de má fama.

- E quando vortô p'ra iscola,
No Grupo d'onde ela insina,
A turma quage qui tira
O côro dela, minina!
Aí qui o disgosto foi grande.
Arrenegou-se da sina.

E blá... blá... blá... blá
E blá, blá, blá, blá...
A comadre faladeira
Fala, fala sem parar.
Saindo da vida de um
Para na de outro entrar.

- Minha fia, agora alembrei
Da fia de Seu Sansão:
A do cabelo curtinho
Qui gosta de camisão
E qui agora se butô
P'ra dirigir caminhão.

-Tu num acha qu'éla é
Deferente, inté dimai,
Das ôtas moça daqui
E qui parece um rapai?
Esse ôio é irmão desse!
E um ao ôto num trai.

- Miniiina!... e aquele "negão"!
Aqueeeele!... todo bombado!
O fio de Sebastião
O aboiadô de gado!
Miniiina!... cala-te boca!
Aquele é qui é viado!!

- Véve p'ras banda da rua
N'uma tá de cademia!
P'ra adividir o coipo.
Vai quage todos os dia.
Aqui, p'ro pai, ele é home!
Mai lá... seu nome é Sufia!

Madalena já está puta
Da vida! Com a falação
Da outra. Mas, paciente
Que é, e um bom coração
Que tem, só faz assentir.
Mas vem-lhe uma reação.

- Muié, tu fala dimaaai!
Toma tento e arrepara
No qui te digo, cumade!
Num joga os ôto im coivara!
Poi, cum o vento, a labareda
Pode te queimá a cara.

- Ah cumade, dêxa disso!
Dêxa de querê sê santa!
Tu sabe qui c'as pessoa
Daqui, isso num adianta.
E se tu ti fai de boinha,
De besta os ôto ti canta.

- Além do mai, eu já tô
Cum a língua cumixando
P'ra te dizê o qui o povo
Anda puraí falando
Da muié de Seu Nastaço
C'um irmão de Debrando

- É um tá de Dorgivá
Qui usa um lenço incarnado
Amarrado no pescoço,
Uma ponchete de lado,
Usa um brinco na ureia
E tem cara de safado.

- Nastaço já discunfia
Da muié com o malandro
E a Dona Guiomá
Dixe qui andô iscuitando
Q'ele tá inconfoimado.
E qui anda se lamentando.

- E a fia da Dona Zil,
Qui mora na Travissia.
Miniiina!... Aquela ali...
O marido nem discunfia
Q'ela anda li chifrando
Com o irmão da Luzia,

- O tá de Juão de Deu
Qui mora no Gravatá,
Perto de Jacaraú!
Onde véve a trabaiá
De chofé de caminhão
P'rus usinêro de lá.

- E o pobe do marido,
Coitado!... nem imagina
Que, quando ela vai p'ra fêra,
No Domingo, a sua sina
De corno já tá selada.
É uma peste! A tá de Nina.

- Mai o qui mas admira
É Ontonho cabiludo,
O fio de Seu Zezinho,
Num discubrí qué chifrudo!
Poi só mermo ele num sabe.
Inté o pai sabe, e tudo!

- E os hóme num fica atrai
Nessa históra de treição!
Muntos dele, qui se acha
Verdadêro garanhão,
Têm mai de uma muié.
É essa a situação.

- Tu num sabe o Seu Tumé
Da budega da isquina?
Num pode vê uma muié,
Q'ele logo dá im cima.
Andô se butando inté
P'ra Das Neve de Cristina.

E Maroca continua
Com a sua falação:
Fala de Zé do Baixio;
De Donana do Grotão;
De Zezinho de Santina;
De Rosa de Bastião...

Quando não há mais ninguém
Para que possa falar,
Fala até da própria mãe
Com quem andou a brigar;
Do pai e do próprio irmão
Que moram n'outro lugar.

Fala da prima, do primo;
Da tia, do afilhado;
Da irmã mais nova: Joana
E do Augusto, seu cunhado;
E nem o sobrinho Felipe
Tem o seu nome poupado.

Mas, a Dona Madalena,
Não gosta de se meter
Na vida de seu ninguém!
E já está para morrer
Com a fofoca da outra
Que não pára de tecer.

- Muié, me dêxa barrer
Meus terrêro, p'ru favô!
Para de falá dos ôto!
Isso é muito feio, sô!
Vendo a sujêra aleia,
T'isquece do teu fedô.

- Tô falando p'ro teu bem!
E vô ti dá um conceio:
- Toma coidado na vida
Cum a tua fia do meio,
A Socorro, a qui namora
C'um rapai do Correio.

- Pruque tu sabe a distança
Qui mora aquele rapai!
Além disso, a cunfiança
Qui tu tem nele, é dimai.
Inquanto tu cuida das ôta,
Num sabe o qui a tua fai.

E isso endoidou Maroca,
Que quase não acredita.
E a rainha da fofoca,
Apoplética, pula e grita,
Partindo p'ra Madalena,
Que um pouco assustada fica.

E blá, blá, blá.... blá, blá, blá...
De repente chega alguém
Correndo e gritando: - Acudam!
A Socorro não tá bem!
Tá c'uma dô de barriga
E ninguém sabe o qu'ela tem.

Socorro é a filha dela!
Da rainha da fofoca
Que, ouvindo o nome da filha,
Quase sem querer, se toca
Que é dela que estão falando,
E p’ra casa se desloca.

O rapaz que veio chamá-la
É o seu filho: Luizinho!
O mais novo dos meninos.
É alto, magro e lourinho.
Tem modos bem delicados,
Falar rápido e fininho.

Chegando em casa, Maroca
Depara-se, já na porta,
Com sua filha mais velha,
Jorgina, que se comporta
Como um verdadeiro homem.
E tem perna peluda e torta.

- Mãe, p'ru favô se acaime!
Aqui já tá tudo bem!
A dô qui a Socorro tinha
É a qui toda muié tem
Quando tá cum nove mei
De bucho, p'ra tê neném.
...
Maroca abriu a boca
E os olhos arregalou,
Tentou dizer qualquer coisa
Porém o som lhe faltou.
Nenhuma frase emitiu.
E caiu no chão. Desmaiou.
...
Afinal, a fofoqueira
Que tanto se ocupou
Da vida dos seus vizinhos,
No finalzinho, ganhou
O que lhe era devido:
Um prêmio bem merecido!
Deus, a ela, não falhou.

Realmente, minha gente,
Onde a fofoca campeia
Sai tudo quanto é conversa
A respeito da vida alheia
Rasgando o véu dos segredos.
E, assim, essa coisa feia
Ganha espaço e se espalha
Incansável. E a canalha,
Simplesmente, saboreia.


Natal/RN
Outubro de 2006.

rosaregis3erres@yahoo.com.br




Deixe seu comentário, por favor.
 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 25/03/2007
Alterado em 31/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.