Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


SAUDADES DOS MEUS VELHINHOS
 
Minha mãe, autodidata,
Nunca deixou me faltar
Um folheto de cordel
Que é cultura popular,
Pedia sempre ao meu pai
Para na feira comprar.
 
O seu nome era Maria,
Joaquina era o complemento;
Farias seu sobrenome
Porque o seu casamento
Foi só no religioso,
O Divino Sacramento.
 
Seu Fortunato, o meu pai,
Também amante da rima,
Satisfazia a esposa
Sua querida “obra prima”.
Eu, como filha dos dois,
Já fui entrando no clima.
 
Fortunato Ramos Regis
Que tem significado:
“O afortunado do rei
Em expansão”, só roçado
Conheceu em toda vida,
Mas se via agraciado.
 
Sendo amantes da cultura,
Mesmo sem cultura ter,
Os meus pais me incentivaram
Ao belo vício de ler.
Hoje eu sei: o que aprendi
Devo aos dois agradecer.
 
Bumba-meu-boi; pastoril;
Pau-de-sebo e outras mais,
São brincadeiras que eu via
Em criança, com meus pais,
Que hoje eu sei, por estudo,
São heranças culturais.
 
A Fortunato e Maria
Eu agradeço o que sou!
Nenhum dos dois a pobreza
Jamais de Deus reclamou,
Louvando cada um dia
Que o Pai do Céu lhes doou.
 
Até um dia meu pai
E minha mamãe querida!
Quando partir cá da Terra
Sei que encontrarei guarida
Nos braços dos meus amores
Num novo lar, noutra vida.
 
Natal/RN
16.02.2014 – 16:10
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 17/02/2014
Alterado em 07/12/2016

Música: V SINFONIA - BETHOVEN

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.