Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


Análise do poema AMANHÃ, de Patativa do Assaré

UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte
CCHLA – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes
DLET – Departamento de Letras
Disciplina: Teoria da Literatura I
Professora: Ana Lúcia
Discente: Rosa Ramos Regis da Silva


Amanhã
(Análise do poema)
Natal/RN – maio de 2011.


Amanhã
(do Livro CANTE LÁ QUE EU CANTO CÁ – 1978)


Amanhã, ilusão doce e fagueira,
Linda rosa molhada pelo orvalho:
Amanhã, findarei o meu trabalho,
Amanhã, muito cedo, irei à feira.

Desta forma, na vida passageira,
Como aquele que vive do baralho,
Um espera a melhora no agasalho
E outro, a cura feliz de uma cegueira.

Com o belo amanhã que ilude a gente,
Cada qual anda alegre e sorridente,
Como quem vai atrás de um talismã.

Com o peito repleto de esperança,
Porém, nunca nós temos a lembrança
De que a morte também chega amanhã.


Patativa do Assaré
(compositor, poeta e improvisador)

ANÁLISE DO POEMA
O poema escolhido para análise é um soneto. Poema com ritmo e sonoridade, composto por 14 versos, dois quartetos (quatro versos) e dois tercetos (três versos), sua principal característica que possui desde que nasceu, contendo, em cada verso, 10 sílabas poéticas.
O soneto nasceu pela criação do italiano Giacomo de Lentino, por volta do século XII, sendo utilizado pelo poeta italiano Petrarca (1304-1374), por muitos ainda considerado como seu inventor.
O número de versos é a principal característica do soneto (imutável), mas o seu ritmo e sua musicalidade são primordiais para que ele se mantenha belo como nasceu. Por isso os sonetistas continuaram a usar os versos de 10 sílabas poéticas (quer sáficos, que heróicos), e os de 12 sílabas (os alexandrinos), embora haja sonetos que não mantenham essas métricas.
Aqui, o poema escolhido pertence a um autor que viveu todo o período Modernista, tendo em vista que nasceu em 1909 e faleceu em 2002, porém não está incluso entre os mesmos por ser considerado, acredito eu, como poeta popular. É um soneto que não segue os padrões ou os moldes clássicos da poesia no que diz respeito à linguagem utilizada.
As duas primeiras estrofes do soneto analisado, trata das visões futurísticas e das realizações sonhadas: do “eu poético”, na primeira estrofe, quando o poeta diz:
[...]
Amanhã, findarei o meu trabalho,
Amanhã, muito cedo, irei à feira.

E do “ outro poético” , na segunda estrofe, quando diz:
[...]
Como aquele que vive do baralho,
Um espera a melhora no agasalho
E outro, a cura feliz de uma cegueira.

As duas últimas estrofes, tratam da forma como o “nós poético” sente-se iludido por uma esperança no futuro, sem lembrar que a morte faz parte desse futuro.
Com o belo amanhã que ilude a gente,
[...]
Porém [...]

[...] a morte também chega amanhã.

FUNÇÃO POÉTICA
O poeta usa a função poética para dizer dos sonhos e desilusões do seu “eu lírico”

REPETIÇÕES E PARALELISMO
Repetições: Amanhã - no primeiro, segundo e terceiro versos da primeira estrofe; no primeiro verso da terceira estrofe e no terceiro verso da quarta e última estrofe.

Paralelismo: ocorre em várias partes do soneto sendo dividido da seguinte forma:
[...]
Amanhã, findarei o meu trabalho,
Amanhã, muito cedo, irei à feira.

[...]
Um espera a melhora no agasalho
E outro, a cura feliz de uma cegueira
[...]
Cada qual anda alegre e sorridente,
Como quem vai atrás de um talismã.

[...]
Porém, nunca nós temos a lembrança
De que a morte também chega amanhã.


AMBIGUIDADES DO POEMA
... Amanhã, ilusão doce e fagueira,
[..]

[...],
Um espera a melhora no agasalho
E outro, a cura feliz de uma cegueira.

Com o belo amanhã que ilude a gente,
Cada qual anda alegre e sorridente,
[...]

[...]
Porém, nunca nós temos a lembrança
De que a morte também chega amanhã.


EU POÉTICO
O “Eu poético”, não representa o a pessoa que está escrevendo, o poeta como pessoa física, mas é como se fora uma personagem que compõe o poema em si. Seria o que fala dentro daquilo que está escrito.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 10/05/2015
Alterado em 23/11/2015

Música: A Rosa - BACH

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.