Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos



 1ª colocada  

X Concurso Nacional PoeArt de Literatura
Para edição do livro Vozes de Aço
XII Antologia Poética de Diversos Autores 2012.
PoeArt Editora – São Paulo, 2012


O CANTO IMAGINÁRIO DE UM POETA APAIXONADO
(Homenageando Fernando Cunha Lima)


 Arde-me o peito ao imaginar
O canto imaginário de um poeta
Que sente ainda no seu peito a seta
Do amor que acabara de arrancar.

A ferida aberta, ainda a latejar,
Do coração ferido o sangue ejeta,
Só ele o vê. E sua alma inquieta,
Desse amor doido tenta se livrar.

Mas como, se o seu pobre coração
Ao tal amor não pode dizer não?
Não há remédio pra tamanha dor!

Sua alma possuída de desejos
Ainda anseia pelos cálidos beijos
De alguém que aos beijos seus não deu valor.


Rosa Regis

Natal/RN
08 de maio de 2009
02h05min
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 07/08/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.