Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


PRA QUE RECLAMAR DAS DORES?
 


Pra que reclamar das dores
A quem não quer me escutar,
A quem nunca me deu flores,
A quem só sabe julgar,
Que despreza meus valores
E que nunca soube amar?
 
Se a minha dor tu não sentes,
Se não consegues pensar
A dor que tu sentirias
Pondo-te no meu lugar,
Para que eu te contaria
O que me faz magoar?
 
Se tu jamais te interessas
Por mim, por meu pensamento,
Pelo que eu acho e que digo
Qualquer que seja o momento!
Se meu pensar não provoca
Em ti qualquer sentimento!
 
Por que então eu faria
De você meu confidente?
Se você sequer me ouve,
Parecendo estar ausente
Num mundo também só seu!
Ao meu mundo, indiferente?
 
Sendo assim jamais me cobres
Que eu entenda o teu pensar,
Que eu te apoie quando vieres
Das tuas dores falar!
Porque amizade é troca
Um só ser não forma par.

A amizade é construída
Em cima do entendimento,
Da aceitação do indivíduo
Como é. Sem complemento!
Da aceitação do amigo
Com o seu próprio pensamento.
 
Ser amigo é escutar,
É oferecer com carinho
O ombro sem perguntar
E sem fazer escarninho
Da dor que o amigo sente.
É fazer dos braços, ninho.
 
É estar sempre presente
Na dor, na satisfação,
Na doença, na saúde,
Na paz ou na confusão
Em que aquele se meter
Seguindo o seu coração.
 
Se você tem um amigo
Assim, não deixe, jamais,
Que ele fique magoado
Por picuinhas banais.
Porque foi seu coração
Que o escolheu entre os demais.
 


Rosa Regis
 
Natal/RN – 09.08.2017
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 17/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.