Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


Dona Maria e a bola
Texto de: Rosângela Trajano
Cordel: Rosa Regis
Ilustração: Danda



A rua era muito pobre
Ali ninguém tinha nada
E se um garoto ganhasse
Uma bola pra pelada
A alegria se apossava.
No geral, da molecada.
 
Juntava-se todo mundo
Um campinho se fazia
A trave, com dois chinelos,
Os olhares de alegria
Mostrava a satisfação
Que nos rostos se acendia.
 
A disputa se estendia
Até a noite cansar
De olhar nossas jogadas
Ou nossas mães nos chamar
Porque o tempo passava
Sem a gente se tocar.
 
De um lado a outro da rua
Rolava a bola no chão.
Cada jogada bonita!
Que provocava emoção
Ao receber da plateia
Gritos de admiração.
 
O Nico tocava a bola
Com a cabeça a cada instante
O Beto, na bicicleta,
Era muito interessante,
E o Bartolomeu, lesado,
Mão na bola era constante.
 
Para o gol ninguém queria
Ir para não ser chamado
De fraco. Uma confusão
Formava-se, lado a lado,
Pois quem ia, se deixava,
Com raiva, ser goleado.
 
Só o Zeca se orgulhava
De ser goleiro, pois sendo
Gordinho, não conseguia
Seguir os outros correndo,
E na trave demonstrava
O seu valor, defendendo.
 
Mas em meio a tudo isso,
Com sua casa cercada
De muro baixo e portão
E janela envidraçada,
Havia a Dona Maria
Que sempre estava zangada.
 
Quando o jogo começava
Já se ouvia a voz dela:
- Cuidado para essa bola
Não quebrar minha janela!
Pois se isso acontecer
Vocês não verão mais ela.
 
A turma toda sabia
Que ela falava a verdade.
Se a mesma pegasse a bola,
Só de ruim, sem piedade,
Cortava à faca, e jogava
No meio da rua a metade.
 
Depois a outra metade
A mesma, sem compaixão,
Também jogava, com raiva,
E a gente, sem ter caixão,
Enterrava a nossa bola
No mais próximo lixão.
 
Não era fácil jogar
Uma pelada na rua,
Pois a tal dona Maria
Na calçada, só na sua,
Com uma faca nas mãos
Como se fosse uma pua,
 
Esperando que algum chute
Fizesse a bola voar
Pro lado da sua casa
Pra nossa bola cortar.
- Cuidado dona Maria!
Se ouvia a turma gritar.
 
Mas se não havia campo,
O nosso campo era a rua
Ou era o sonho que dentro
Do nosso serzinho atua,
E cada um tem seu campo
Na sua verdade nua.
 
E muitas e muitas bolas
Dona Maria cortou.
Certa vez um dos seus netos,
Pedro, dez anos, chegou
Para vir morar com ela
Porém nem isso a domou.
 
Porque ela o proibiu
De vir conosco brincar
Ele ficava à janela
Somente pra nos olhar
Com aquele olhar pidão
Com o desejo de jogar.
 
Um dia Beto chutou
Com tanta força na bola
Que ela rodopiou
No ar e, assim, sem bitola,
Foi até perto da lua,
Voltou e caiu de sola
 
Na janela envidraçada
Que era, à faca, defendida.
Dona Maria, por sorte
Nossa, não teve saída,
Pois não viu o que ocorreu
Ali na hora devida.
 
Seu neto Pedro pegou
A bola e nos devolveu,
Ela, um monte de carão,
No menino ainda deu
E mandou o mesmo embora
Por causa do que ocorreu.
 
Uma bola colorida
Nós lhe demos de presente
Pelo seu comportamento.
E ainda até hoje a gente
Joga e vê dona Maria
Com a faca aguardando o dia
De jogada inconsequente.
 
 
 
Natal/RN
18.04.2014 – 20h:27min.
 

 
Rosa Regis e Rosângela Trajano
Enviado por Rosa Regis em 17/01/2018
Alterado em 18/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.