Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


A mulher desmiolada

Texto original: Rosângela Trajano
cordel.
: Rosa Regis
Ilustração: Danda 
 
Andava pela cidade
Sem saber para onde ir
Comia pedra e cupim
Sem saber como sorrir
Falava sozinha, a doida,
Sem jamais querer dormir.
 
A mulher desmiolada
Contava histórias sem fim
Ninava com velhas músicas
Cantigas do Alecrim
Andava toda rasgada
Tangia o ar do capim.
 
O vento que balançava
O seu pensar tresloucado
Na escuridão da noite
Mexia mesmo um bocado
Com a pinta do Serafim
Presa naquele cercado.
 
A mulher desmiolada
Jogava pedra na lua
Gritava por Satanás
Ficava todinha nua
Diante da sua lógica
Com um gatinho de rua.
 
Levava ela o bichinho
Preso debaixo do braço,
Para a Igreja.  E a rezar,
Dizia: - O mundo eu refaço!
Sem soltar nem um momento
O seu gatinho de laço.
 
Porém o joga no altar
No Santíssimo. Em sua cruz.
Rasga a Bíblia, praguejando
O altíssimo Senhor Jesus.
E baixo, como em cochicho,
Diz o que a mente lhe induz.
 
A mulher desmiolada
Vendeu, como sendo sua,
A Terra, alugou o Céu
E subiu a serra nua,
Namorou a noite inteira
As estrelas e a lua.
 
Ela sabia de tudo
E não sabia de nada.
Quando estava a dormir
Falava muito a danada!
Mas quando acordada estava
Era totalmente asnada.
 
Andava na praia à toa
Beijando as ondas do mar
Ria da sua desgraça
E dizia muito amar.
A louca sempre ordenava
O seu gatinho Aramar.
 
A mulher desmiolada
Era um ser que não tem ser.
Filosoficamente, digo:
Que ela seria um não-ser.
Esquisita a tal mulher!
Talvez fosse um vir-a-ser.
 
Qualquer uma coisa lia:
O jornal de anteontem
De cabeça para baixo
Nada sabia do ontem
Se hoje era mesmo hoje
Ou se era trasanteontem.
 
Brincava como criança
A mulher desmiolada
De tica, de pular corda,
Ficando toda enrolada
E brincando amarelinha
A fazia circulada.
 
Ela tinha cem coisinhas
Para poder matutar
Uma cabeleira horrível
Para a todos assustar.
Era uma doida que tinha
Muito medo de enlutar.
 
A mulher desmiolada
Enchia o vaso soprando
Sem estar nem um pouquinho
Ao seu vazio ligando.
Do vaso ela faz descaso,
Só sopra. Nem se importando.
 
A mulher desmiolada
Esvaziou seu pensar
Numa tristeza tamanha
Viu-se num sonho adensar
Catou palavras perdidas
Lá dentro do seu pensar.
 
A mulher desmiolada
De noiva, agora vestida,
Procurava seu buquê
Meio abatida, perdida...
Voava para as estrelas
Na sua fé rebatida.
 
 

Natal-RN, 15 de setembro de 2008.
Rosângela Trajano e revisado por Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 07/02/2018
Alterado em 15/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.