Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


NO POSTO DE GASOLINA
(Odir Milanez da Cunha versando A MULHER QUE FOI ESQUECIDA NO POSTO DE GASOLINA de Rosa Regis)



Odir Milanez da Cunha
Versando a prosa de Rosa Regis


Publicado: em 15 de fevereiro
de 2010 às 19:29 no POESIA PURA


A Campina Grande, cedo,
deram adeus. afinal,
ficava longe Natal
e a estrada dava medo.
Dos dois lados o arvoredo
parecia uma cortina
que na brisa matutina
ficava da cor de breu,
até quando apareceu
um posto de gasolina.

A mulher, que dormitava
no largo banco traseiro,
depois de um sono ligeiro,
meio espantada acordava.
Quando notou onde estava,
foi direta pra latrina.
Enquanto a mulher urina,
o cara nem percebeu
que sua mulher desceu
no posto de gasolina.

Com o carro abastecido
o homem voltou à estrada
A mulher, desesperada,
clamava pelo marido.
Este, desapercebido,
só em correr imagina.
Foi aí que a mão divina
pela esposa intercedeu.
Esposa que ele perdeu
no posto de Gasolina.

Fura o pneu dianteiro.
Para ajudá-lo na troca.
pela mulher ele invoca
e logo abre o berreiro.
Procura no carro inteiro,
e nem sequer imagina
que foi do destino a sina
desse drama que viveu,
quando a mulher esqueceu
no posto de gasolina.

De repente o celular
vem tirá-lo da aflição.
Esclarece o seu irmão
onde a mulher deve estar.
Ela, tranquila, a esperar
meio liberta e ladina
pelos faróis descortina
a volta do carro seu,
quando desapareceu
do posto de gasolina.

O marido, atrapalhado,
mas dando uma de macho,
ao invés de falar baixo,
grita alto e explicado:
“Devia ter-te deixado
ir a pé até a China!”
Depois, com ela combina
esquecer o que ocorreu,
quando a mulher esqueceu
no posto de gasolina!


Odir, de passagem

 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 15/02/2010
Alterado em 28/06/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.