Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


CIDADANIA
 
Por:  Rosa Regis
 
O que é ser cidadão?
O que é cidadania?
Esta é uma problemática
Em que a Geografia
É peça fundamental
No campo do espacial,
Que hoje é mercadoria.
 
Uma perda insuportável,
Questão de vida ou de morte,
É a perda do local
Que dá, ao homem, suporte:
Sua casa, sua terra,...
Perde pro global, e erra
Pelo mundo, à própria sorte.
 
A indústria empurra o homem
Do centro à periferia.
E este sofre com a perda
De espaço e cidadania.
A modernidade vem
Faze-lo perder, também,
O solo. E ganha “a chefia”.
 
O crescimento econômico
É, do desenvolvimento
Social, desnivelado.
Pois que cresce em detrimento
Deste que mostra, afinal,
De forma clara e cabal,
Subdesenvolvimento.
 
Aqui, a Geografia
Precisa desenvolver
Novas metodologias
Temáticas para atender,
De forma reflexiva,
Especialmente ativa,
Como ciência do Ser.
 
Do ser enquanto indivíduo
Dentro do espacial
Ou do espaço a si devido
Que perdeu para o global
E que hoje, pressionado
Pelo trabalho, o privado
A si, foi para o geral.
 
Agora é só usuário
Daquilo que já foi dono!
O seu “espaço” se foi!
Vê-se, pois, no abandono
Onde o espaço criado,
Para si representado,
Parece-lhe um desabono.
 
Urbanistas, arquitetos,...
Planejam e “edificam”
Espaços como que símbolos
No papel aos quais rubricam.
E os homens, o direito
De cidadão, de sujeito,
Perdem. E, assim, nada ficam.
 
O espaço é negociado
E é cada vez menor.
A paisagem é destruída,
Tornando sempre pior
A vida em quadrangulados
Blocos de casas, cortados,
Sem nada verde ao redor.
 
A cultura adquirida,
O lúdico e a qualidade
De vida do indivíduo,
Que agora na cidade
Vive, perdeu o sentido.
Pois, de tal, já esquecido,
Não vê mais necessidade.
 
A qualidade se foi!
Mas é preciso lutar!
E agora, a geografia
Ajuda nos pode dar
Como ciência do espaço,
Sem egoísmo, num laço
Com a ciência do pensar.
 
É aí que a Filosofia,
Com o conhecer global,
Une-se à Geografia
Com o seu residual.
Sem desperdiçar saber,
Irão tentar resolver
O problema crucial.
 
Nova ética e novo modo
De vida que surgirá.
E a dependência moral
Não mais ali reinará.
Romper com o clientelismo
E com o favoritismo,
Ao homem resgatará.
 
A autogestão existe
Quando um grupo social
Não só busca conhecer,
Porém, de modo geral,
Definir, com consciência,
As condições de existência
Grupal e individual.
 
E o indivíduo tem
Que ter o conhecimento
Pessoal e coletivo
De cada um elemento
Que dá-lhe a cidadania
E lhe oferece a alforria
Ou um novo nascimento.
 
Num país tal qual o nosso
O povo é comprometido
Moralmente com os políticos,
Qualquer que seja o partido.
E na busca pela ascensão
Social, o “cidadão”
Perdeu, em si, o sentido.
 
E aí, a Geografia,
Visando a transformação,
Num trabalho educativo
Em que a geometrização
Do espaço é decifrada
E em social transformada,
Dá sua contribuição.
 
            ...
E a luta continua!
Buscando o residual
Daquela cidadania
Que se dizia real,
Em que o hoje reduzido
Espaço era garantido
Lá... No tempo de Cabral.
 
 
 
 
Natal/RN – 19 de maio de 2008
 
00:25 hs.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 22/02/2010
Alterado em 06/06/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.