Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


A HISTÓRIA DE SEVERINA E DE SEU NATANAEL
(poesia estilo lit. de cordel)



(da vida real)

Como diria meu pai:
Uma "anja" me contou
Uma bela história que
Muito me emocionou.
Uma história de paixão
Que, ao ouvir, meu coração
Com mais rapidez pulsou.

Ele era um sapateiro,
Seu nome: Natanael.
Era muito vaidoso,
Usava sempre um chapéu!
Unhas limpas, bem tratadas;
Roupas brancas, bem passadas;
Parecia um coronel.

Gostava de passear
E sempre, sempre, ele ia
Para o centro da Cidade.
E vez por outra se via
Ele em papo com uma dama
Numa praça que se chama
Praça Padre João Maria.

Um dia, ele conheceu
Alguém que veio pro Juvino
Barreto, e seu coração
Cantou, nesse dia, um hino
Pois conheceu um amor
puro, limpo, que, sem dor,
Parece, memo, divino.

Severina era o seu nome.
Já havia enviuvado
Três vezes. Natanael
Nem ficou preocupado
Com isto. E um tempo depois,
Selando o amor dos dois,
Eles estavam casados.

Porém, Seu Natanael
Logo, logo adoeceu
Do estômado. Um C.A.
O que muito entristeceu
Severina que, outra vez
Ficou, pois, na viuvez.
Seu Natanael morreu.

E aí, Dona Severina
Do Juvino se afastou,
Indo morar com seu neto
Que dali a carregou.
Inda voltou vez-em-quando
Mas, afinal, se afastando
De Vez. Nunca mais voltou.

Não se sabe se ainda é viva
Ou se por Deus foi chamada,
Porém ficou a lembrança
Daquela mulher amada
E que muito amou na vida.
No seu coração, guarida,
Tinha a paixão, arraigada.




Rosa Regis

Natal, 15 de julho de 2010
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 15/07/2010
Alterado em 09/02/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.