Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


O IPÊ ROXO (8º lugar na XVI FESERP) - leia e comente

O IPÊ ROXO

(8º lugar na XVI FESERP)



É verão no agreste da Paraíba.
Diferentemente do Sertão, o verde persiste!
Mas o Ipê roxo está pelado,
perdeu sua roupagem verde.
Seus galhos hirtos e nus
parecem pedir socorro aos Céus.
Os anus pretos que pousam sobre os mesmos
parecem dizer que eles estão mortos.
Ledo engano.
Às primeiras chuvas, que beleza!
O roxo cobre seus galhos nus
antes mesmo do verde das folhas.
É uma beleza “que olhos maus não podem ver”.

Meu Ipê roxo...
Que saudade de ti!
O contraste do roxo num céu nublado
é algo encantador!
Enfeitaste minha infância
e minha adolescência.
Puseste a poesia em meu coração.
Foste meu companheiro
nas primeiras decepções amorosas,
recebendo minhas queixas e prantos infantis
sem nada dizeres,
oferecendo-me teu tronco como apoio
para que eu chorasse minhas dores
que me pareciam sem remédio.

Como eras belo, meu Ipê!
Exibia-te, florido e altaneiro,
aparecendo acima das outras árvores,
encantando os olhos dos tropeiros
e de toda a nossa vizinhança.
Meu pai te chamava por outro nome:
“Pau d’arco”, se não me engano!
Mas, para mim, eras mesmo
o meu Ipê Roxo.
A mais bela árvore!
A árvore que enfeitou a minha infância pobre.


Rosa Regis
Natal/RN
Novembro de 2010





Rosa Regis
Natal/RN
Novembro de 2010
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 28/12/2010
Alterado em 03/03/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.