Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


“AS NOITES DE MAIO DA SINHÁ SANTINA”

I
“As noites de maio” da Sinhá Santina,
eram tão “divinas”!

Os hinos... belíssimos! à Nossa Senhora.
Eram mesmo, a glória!!

E as belas flores que eram oferecidas
à Santa querida?!

As velas acesas em volta do altar
onde a Santa está!

E a demonstração de fé e esperança
no Deus de Bonança!

Aquele povo puro que orava e cantava.
E que a Santa adorava!

Que pedia perdão para os seus “pecados”!
E chuva p’ro roçado!

Ao final da novena, as flores, a um canto,
são cobertas com um manto.

E um aroma gostoso, no canto da sala,
aquele “monte”, exala.

E juntam-se as flores e as folhas, de vez,
no final do mês.

E, depois da novena, haverá a queimagem
de toda a folhagem

E da flores, também. Que murchas estão,
num cantinho - no chão.

Leva-se flores e ramos, num paninho quadrado
com dois de cada lado.

Todos juntos, vamos, cantando e rezando,
as flores queimando.

Rezando, a cantar: moças e rapazes,
de olhares fugazes,
Se tocam e estremecem
ao sentirem o toque, em meio à prece.

...
É a beleza do Bem
dessas criaturas que malícia, não têm.

...
E o amor vem de forma natural.
É muito normal!

II

Festeja-se tudo
com fogos de artifício.E brinca-se de anel.

Sendo o mais sortudo.
quem recebe a prenda: Um beijo! O troféu.



Natal/RN – 19.02.2000
20:20h(o complemento).
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 24/01/2011
Alterado em 31/08/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.