Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


FREDERICA (Uma velha gata persa carinhosa/ que se foi, deixando, em nós, muita saudade)

FREDERICA
(Uma velha gata persa carinhosa
Que se foi, deixando, em nós, muita saudade)


Já chegou aqui em casa
Velhinha, não mais paria!
E tinha uma gripe crônica
Que do nariz lhe escorria.

Com ouvidos inflamados
E sempre estava espirrando;
Olhos sempre remelados,
A orelha sempre coçando.

Tomou uns antibióticos,
Dos ouvidos melhorou
Mas, das narina, que nada!
O catarro continuou.

Carinhosa! Uma doçura!
Miava bem de mansinho:
Abrindo e fechando a boca
Como a nos fazer carinho.

Ao contato carinhoso,
Se recurvava a pedir
Que fizesse mais e mais,
Sem se cansar de subir.

Comilona pra valer,
Estava sempre pedindo.
Parecia nunca encher
Ou a viver se esvaindo.

Ao ouvir o barulhinho
Da comida na bacia,
Estando sempre por perto,
Mais que depressa, corria.

Até que um certo dia
Ela parou de comer,
E nem água mais bebia!
Dava pena o seu sofrer.

Foi definhando aos pouquinhos,
Demorou, mas... finalmente,
Despediu-se... de mansinho...
E com tristeza, da gente.

Foram vinte e tantos dias
O sofrer de Frederica
Que parte. E uma saudade
Doída em todos nós fica.

Que o deus dos gatos dê
Ao seu espírito um lugar
Onde ele possa viver
Livre de tanto penar.

Natal/RN - 2008.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 05/10/2010
Alterado em 16/11/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.