Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos

ESMAGADOS PELO DESAMOR

ESMAGADOS PELO DESAMOR

Cabelo duro – cheinho de  caspas!
Mãozinhas sujas – com pele áspera!
São algumas marcas da criança pobre
Que o dinheiro “sujo” do “poder” encobre.

São os excluídos que não têm melhora!
São os esquecidos pela vida afora!
E, em grande quantidade, vão seguindo,
Esmagados pelo desamor infindo.

Só pedem a vida – nada mais que isso!
Pois vivem da miséria – Dos restos. Do lixo.
São filhos do “nada” – e nada vão fazer
Para que, um dia, alguém possam ser.

Pois O “SER MAIOR”– com  o  poder   nas  mãos,
Esmaga-os! Deixando-os abaixo do chão!
...
Não lembra este  “S E R ”, que o “ser pequenino”,
Como Ele mesmo é um SER DIVINO.
E do mesmo tamanho, sem tirar nem por,
É o esmolando e o grande Doutor.

E para que um dia se chegue ao final
Junto ao SER MAIOR - O TAO, O GLOBAL,
Teremos que estar limpos, burilados,
E que os excessos sejam aparados.

E o “ser pequenino” levará  vantagem
Pois  se nada teve, nada deixa à margem,
Que o faça sentir-se como perdedor
De algum bem terreno a que dê valor.

Não se prende a nada – Só  à  vida  em  si
Que nunca se acaba.Está sempre a fluir.
E desprendido de tudo, Ele  chega ao FINAL
E COMEÇO DE TUDO – O CICLO VITAL.

Sem levar saudade de nada ou ninguém
Pois quem nada teve,  S a u d a d e s  não  tem.
E assim, bem mais limpo o pobre estará,
Quando o Ponto Vital do CICLO alcançar.

E assim, ao pobre, mais fácil  será,
Aparar-lhe os excessos – à  sujeira limpar.
Enquanto que o rico – apegado aos bens,
Cobre-se de “lixos”, que valor não têm.

E para tirar-lhe do lixo, o fedor,
Será um trabalho  d e s e s p e r a d o r
Além do que, ele não quer se deixar
Tirar-lhe os excessos que o “empobrecerá”.

Desta forma, o pobre, ao se deixar limpar,
Logo brilha tanto que chega a ofuscar
Qual ouro que, antes, já trabalhado,
Bastasse que agora fosse apenas limpado.

Enquanto que o rico, que jamais “trabalhou
Seu Ser” para a perda – perdido ficou!
E agora não quer se desvencilhar
Das coisas que estão ao seu Ser ocultar.
...
E assim vai sofrer bem mais que o pobre
Pra descobrir o Ser que a maldade cobre.
Mas um dia estarão juntinhos a Deus,
Ao TAO, ao GLOBAL, como filhos seus.
...
Pois mesmo que sigam caminhos diversos,
O Final é um só dentro do Universo.

Rosa Regis
Natal/RN – 1999.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 12/11/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.