Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


O PORTUGUÊS DO SÍTIO
(refíro-me ao SÍTIO JERIMUM -
Mun. de Jacaraú-PB)



Lá no Sítio, onde eu nasci,
O Português praticado
era uma graça, um amor!
Eu jamais esquecerei.
Orvalho, diz-se: aruvaio;
Papagaio, é papagalho;
Galho, chama-se de gaio
Tal qual o malho, que é maio.

... e quage qu'eu me atrapaio 
quando a criticar me meti.

À flor, chama-se fulô;
Pra cima, pra riba é;
Descida, é cabeça-a-baixo;
Colher, chama-se cuié;
Filho, é fio; filha, é fia;
Olha, diz-se mesmo: espia!
Maravilha... é maravia;
Porque, é prumode ou pruvia.
... e cabeça-a-riba... eu subia...
para falar com Zabé.

Homem safado, é canaia;
Barba se faz com navaia;
No burro, se põe cangaia.
... tudo isso me atrapaia...
deixando-me arreliada!

Música!?... Chama-se cantiga!
Varíola... é mesmo bixiga!
Cólica!?... é dor de barriga.
E para o azar, dá-se figa!

Êta, gentinha arretada!!



Rosa Ramos Regis  

Natal/RN - 2000
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 15/04/2006
Alterado em 14/06/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.