Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.
Rosa Regis Brincando com os Versos
Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
SEM RUMO
Por Rosa Regis
Natal/RN - 1999? (talvez)  

       I
Andando a ermo
sem rumo certo,
Vislumbro ao longe
um ponto incerto
Com cores vivas
e espaço aberto.
Vou indo... indo...
Já estou bem perto.

As cores fogem.
Fecha-se o espaço,
Será possível!...
Apresso o passo.
Mas não adianta,
meu Deus!... que faço?
E curva-se-me o corpo
pelo cansaço.

      II
Reajo... Sigo...
tento de novo.
A subida é íngreme,
difícil, um estorvo.
Mas não desisto
da tentativa
Pois não morri
Ainda estou viva.

Por mais difícil
que possa ser
Os obstáculos
hei de vencer.
Venço o desânimo
e o cansaço,
Dêem-me as alvíssaras!...
Achei meu espaço!!!
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 15/05/2006
Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários