Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.
Rosa Regis Brincando com os Versos
Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
LOUCURA BENDITA
Por Rosa Ramos Regis
Natal/RN - 08 de fevereiro de 1999.

LOUCURA BENDITA

A rua está tão alegre!
Tudo está tão bonito!
Me sinto um pouco rebelde...
Por dentro... algo me impele
A dar um enorme grito!

O Céu bastante nublado,
Com retalhos de infinito;
O sol um pouco “enfadado”,
Mostrando só um dos lados,
Torna tudo mais bonito.

Uma senhora me ver
E me olha enviesado
Se perguntando... o que
Essa doida anda a escrever
Olhando sempre p’ros lados?

Ela não vê o que eu vejo!
Pois olhamos diferente.
Ela olha de forma crítica!
Já em mim... a imagem fica,
Do nascente ao poente.

A imagem maravilhosa
Desta Natureza viva!
Verde! florida! gostosa!
De frutas deliciosas!
Que o nosso apetite ativa.

Vejo uma manga no chão
Ai!... Como está cheirosa!
Me agacho, pego com a mão,
O dono está vendo ou não?...
Dou-lhe uma mordida!...É gostosa!

Penso naquela senhora
Que me olhou com olhar crítico.
E se ela me visse agora,
Chupando esta manga?...Ora!
Tal qual fora um periquito?...

Mas, que importa o que pensem
E o que falam de mim?

Pois se o pensamento é ruim
Não me interessa o que sentem,
Que mintam ou que inventem...
P’ra mim é indiferente.

Natal/RN - 08/02/1999
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 29/07/2006
Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários