Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


CIDADANIA
 
Por:  Rosa Regis
 
O que é ser cidadão?
O que é cidadania?
Esta é uma problemática
Em que a Geografia
É peça fundamental
No campo do espacial,
Que hoje é mercadoria.
 
Uma perda insuportável,
Questão de vida ou de morte,
É a perda do local
Que dá, ao homem, suporte:
Sua casa, sua terra,...
Perde pro global, e erra
Pelo mundo, à própria sorte.
 
A indústria empurra o homem
Do centro à periferia.
E este sofre com a perda
De espaço e cidadania.
A modernidade vem
Faze-lo perder, também,
O solo. E ganha “a chefia”.
 
O crescimento econômico
É, do desenvolvimento
Social, desnivelado.
Pois que cresce em detrimento
Deste que mostra, afinal,
De forma clara e cabal,
Subdesenvolvimento.
 
Aqui, a Geografia
Precisa desenvolver
Novas metodologias
Temáticas para atender,
De forma reflexiva,
Especialmente ativa,
Como ciência do Ser.
 
Do ser enquanto indivíduo
Dentro do espacial
Ou do espaço a si devido
Que perdeu para o global
E que hoje, pressionado
Pelo trabalho, o privado
A si, foi para o geral.
 
Agora é só usuário
Daquilo que já foi dono!
O seu “espaço” se foi!
Vê-se, pois, no abandono
Onde o espaço criado,
Para si representado,
Parece-lhe um desabono.
 
Urbanistas, arquitetos,...
Planejam e “edificam”
Espaços como que símbolos
No papel aos quais rubricam.
E os homens, o direito
De cidadão, de sujeito,
Perdem. E, assim, nada ficam.
 
O espaço é negociado
E é cada vez menor.
A paisagem é destruída,
Tornando sempre pior
A vida em quadrangulados
Blocos de casas, cortados,
Sem nada verde ao redor.
 
A cultura adquirida,
O lúdico e a qualidade
De vida do indivíduo,
Que agora na cidade
Vive, perdeu o sentido.
Pois, de tal, já esquecido,
Não vê mais necessidade.
 
A qualidade se foi!
Mas é preciso lutar!
E agora, a geografia
Ajuda nos pode dar
Como ciência do espaço,
Sem egoísmo, num laço
Com a ciência do pensar.
 
É aí que a Filosofia,
Com o conhecer global,
Une-se à Geografia
Com o seu residual.
Sem desperdiçar saber,
Irão tentar resolver
O problema crucial.
 
Nova ética e novo modo
De vida que surgirá.
E a dependência moral
Não mais ali reinará.
Romper com o clientelismo
E com o favoritismo,
Ao homem resgatará.
 
A autogestão existe
Quando um grupo social
Não só busca conhecer,
Porém, de modo geral,
Definir, com consciência,
As condições de existência
Grupal e individual.
 
E o indivíduo tem
Que ter o conhecimento
Pessoal e coletivo
De cada um elemento
Que dá-lhe a cidadania
E lhe oferece a alforria
Ou um novo nascimento.
 
Num país tal qual o nosso
O povo é comprometido
Moralmente com os políticos,
Qualquer que seja o partido.
E na busca pela ascensão
Social, o “cidadão”
Perdeu, em si, o sentido.
 
E aí, a Geografia,
Visando a transformação,
Num trabalho educativo
Em que a geometrização
Do espaço é decifrada
E em social transformada,
Dá sua contribuição.
 
            ...
E a luta continua!
Buscando o residual
Daquela cidadania
Que se dizia real,
Em que o hoje reduzido
Espaço era garantido
Lá... No tempo de Cabral.
 
 
 
 
Natal/RN – 19 de maio de 2008
 
00:25 hs.
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 22/02/2010
Alterado em 06/06/2015


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.