Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


“AS NOITES DE MAIO DA SINHÁ SANTINA”

I
“As noites de maio” da Sinhá Santina,
eram tão “divinas”!

Os hinos... belíssimos! à Nossa Senhora.
Eram mesmo, a glória!!

E as belas flores que eram oferecidas
à Santa querida?!

As velas acesas em volta do altar
onde a Santa está!

E a demonstração de fé e esperança
no Deus de Bonança!

Aquele povo puro que orava e cantava.
E que a Santa adorava!

Que pedia perdão para os seus “pecados”!
E chuva p’ro roçado!

Ao final da novena, as flores, a um canto,
são cobertas com um manto.

E um aroma gostoso, no canto da sala,
aquele “monte”, exala.

E juntam-se as flores e as folhas, de vez,
no final do mês.

E, depois da novena, haverá a queimagem
de toda a folhagem

E da flores, também. Que murchas estão,
num cantinho - no chão.

Leva-se flores e ramos, num paninho quadrado
com dois de cada lado.

Todos juntos, vamos, cantando e rezando,
as flores queimando.

Rezando, a cantar: moças e rapazes,
de olhares fugazes,
Se tocam e estremecem
ao sentirem o toque, em meio à prece.

...
É a beleza do Bem
dessas criaturas que malícia, não têm.

...
E o amor vem de forma natural.
É muito normal!

II

Festeja-se tudo
com fogos de artifício.E brinca-se de anel.

Sendo o mais sortudo.
quem recebe a prenda: Um beijo! O troféu.



Natal/RN – 19.02.2000
20:20h(o complemento).
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 24/01/2011
Alterado em 03/03/2019


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.