Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos

O SONHO DE ROSINHA


O SONHO DE ROSINHA
(Poesia criada no Livro de Visitas de Tere Penhabe)

Rosinha, cum Bastião,
Assonhava si casá
Num dia de São Juão.
E, pru isso, a rezá
Vivia a coitadinha,
Pru sonho si realizá.

Amarrava Santo Ontonho,
Pindurava o coitadim
Pela perna. Era medonho
O sofrê do tá Santim.
Inté c'um dia fisgô
Pedo, o fii do vizim.

Aí, Rosa, sastifeita,
Disamarrô Santo Ontonho.
Agora, sua impeleita
Era c'o senveigonho
Du marido... qui s'ajeita
C'a fia de Seu Bitonho.

Bem feito, pra tá de Rosa!
Ela bem pudia tá
No seu cantim, bem chaimosa,
Sem pricisá siamarrá
Casano c'aquele prosa
Qui nenhum valô li dá!

Quarqué semeiança é pura cuincidença.

Bjos no coco!

Rosa Regis

Natal/RN - Brasil

24 de junho de 2007 - 17:27h
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 27/06/2007
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.