Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


Vou colhendo de mansinho
Os grãos que a galinha deixa.

 

Vou colhendo de mansinho
O que pra mim foi deixado
Não esquecendo o pecado
Que é não se ter carinho
Por cada um irmãozinho,
E que devemos, sem queixa,
Mesmo que exista reixa,
Dar a mão ao nosso irmão.
Assim "catamos no chão"
Os grãos que a galinha deixa.
 
Com paciência, seguindo
O caminho da esperteza
Eu sei, com toda certeza,
Terminarei conseguindo
O que eu estou perseguindo,
Sem emitir qualquer queixa
Ou ainda provocar reixa.
Assim, com jeito e carinho,
Vou colhendo de mansinho
Os grãos que a galinha deixa.
 


Mote: Marcos Medeiros
Glosa: Rosa Regis
Natal/RN – Brasil
s/data

 
Rosa Regis e Marcos Medeiros
Enviado por Rosa Regis em 23/06/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.