Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.

Rosa Regis Brincando com os Versos

Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria

Textos


A FORÇA DA MULHER
NA LITERATURA DE CORDEL
 
 
Aos meus queridos leitores
Eu venho aqui pra falar
Da força que a mulher tem
Quando resolve mostrar
Na escrita o seu saber
Metrificando e a rimar.
 
A literatura em si
Tal qual a arte em geral
Por muitos e muitos anos
Quase que no seu total
Era preconceituosa
E de elitismo abismal.
 
Só homens de classe média
E heterossexuais,
Sendo, geralmente, brancos.
Excluindo-se os demais:
Mulheres, negros e pobres...
Não tinham credenciais.
 
Somente com o feminismo
É que a coisa desasnou
Um pouco. Questionamentos
Ele trazendo mostrou
Que a mulher tem Poder!
De ser o “outro” deixou.
 
Mas se falando em Cordel
Ela continuou sendo
Ainda discriminada
Pois começou escrevendo
Pondo na autoria o nome
De um homem, o dela escondendo.
 
Falo da paraibana
Que iniciou no cordel
Ali pelos anos trinta
Do século vinte. É cruel!
Porque seu nome se esconde.
Não sendo à mesma fiel.
 
O VIOLINO DO DIABO
OU O VALOR DA HONESTIDADE
O cordel de uma mulher
[i].
O primeiro, na verdade,
Que se tem conhecimento
Mas sem sua identidade.
 
A autoria do texto
É de Altino Alagoano
Seu esposo no lugar
Do seu nome. Algum engano?
Que nada! A mulher "não tinha
direito!" Parece insano.
 
Aqui eu mostro alguns casos
Que comprovam da mulher
Cordelista a sua força,
Venha de onde vier!
Tendo o domínio da arte
Ela escreve o que quiser.
 
Em 27 de julho
Do ano 2020
Nossa Izabel Nascimento
Sem demonstração de acinte,
Num evento virtual
[ii]
Com sabença e com requinte,
 
Tratou dum tema importante
Onde nos mostra o Cordel
Como ferramenta forte
Na luta justa e fiel
Da mulher contra o machismo
Desrespeitoso e cruel.
 
O estopim foi aceso
E um movimento surgiu
[iii]
São centenas de mulheres
Que uma a outra se uniu...
Demonstrando sua força!
E o resultado se viu.
 
Paola Tôrres, cordelista
E médica, agora faz parte
Da A B L C
[iv], tendo
Domínio da nossa arte!
Fazendo que alguns machistas
Quase sofresse um enfarte.
 
Temos ótimas cordelistas
Por todo nosso Brasil
Que no momento se unem
Para rechaçar o vil
Preconceito dos machistas
Maldoso e nada sutil.
 
Tonha Mota, cordelista
Da ANLIC
[v], aqui em Natal
Escreveu RACISMO MATA
E numa invasão fatal
Racistas descompensados
Mostraram que são do mal.
 
Invadira e bagunçaram
De forma desrespeitosa
A Live de lançamento
Mostrando quanto é maldosa
A ação dos despeitados
Que de poderosos posa.
 
Porém nossa amiga Tonha
Sem temor à tal ação
Nos premiou noutro dia
Com a bela apresentação
De seu trabalho bem feito
Com  alma e com  coração.
 
Assim nós vamos mostrando
Como a força da mulher
No cordel corre o Brasil
A vai aonde quiser!
Superando os empecilhos
Mostrando sempre o que quer.
 
E o Cordel, como o Repente
É Bem Imaterial
Aqui no nosso País.
Patrimônio Cultural!
Já estava mais que na hora
Que isto ocorresse afinal.
 
E agora é “luta armada”!
Mas armada com papel
Onde uma boa caneta
Representando o quartel
Mostra a força da mulher
Na escrita do cordel.
 
Neste momento é que eu entro
Como mulher brasileira,
Nordestina de nascença
Que jamais mostrou canseira
De lutar por seus direitos,
Cabeça erguida. Altaneira.
 
Foi na UFRN
Que comecei a escrever
Em rima, ainda sem métrica,
Passando a desenvolver
Trabalhos que me levaram
A mais e mais conhecer.
 
Os professores dizendo
Que o trabalho era cordel
Acreditei e segui
Desenvolvendo o papel
De cordelista novata
Que se acha, às letras, fiel.
 
Conheci mais cordelistas
Dos grupos participando,
Só os homens produzindo
As mulheres só comprando.
Eu, mostrando “atrevimento”
De autora me apresentando.
 
Hoje em dia o meu cordel
Já foi até premiado!
Não só uma vez, mas várias!
Sendo até utilizado
Em escolas de renome
[vi]
Porém só fora do Estado[vii].
 
Outras mulheres surgiram
Novos grupos se formaram,
Cordéis começados simples
Novos formatos tomaram:
Viraram livros compostos
Por vários. Belos ficaram.
 
Mas ainda há relutância
Na hora de contratar
Uma mulher cordelista
Pra que possa apresentar
O seu trabalho em cordel.
É o machismo a dominar.
 
Os nossos próprios colegas
De um grupo determinado
Se o convite tem cachê,
Há sempre um acordo velado:
São pouquíssimas mulheres
Nesse pacote fechado.
 
Percebe-se claramente
Que o machismo continua
Não só de forma latente
Porque nós vemos que atua
Nos convites para eventos
Seja privado ou na rua.
 
Porém mulher corajosa
Que sou nunca vou parar
De produzir meus trabalhos
E para todos mostrar.
Provando que continuo
Onde bem queria estar.
 
Nossa luta continua!
Nosso Cordel Nordestino
Nascido aqui no Nordeste,
Não tem “dono”! É do menino,
Da menina, da mulher,
Do homem e de quem quiser!
Cantá-lo é nosso destino.
 
 
 
 
 
 
 
Rosa Regis
Natal / RN – novembro de 2021
 

[i] Maria das Neves Batista Pimentel
 
[ii] III Encontro de Cordelistas da Paraíba,
tratando do tema “O cordel como ferramenta
de transformação social”,
 
[iii] Movimento das Mulheres Cordelistas  
contra o Machismo
 
[iv] ABLC – Academia Brasileira de Literatura de Cordel
 
[v] ANLiC – Academia Norte-rio-grandense de
Literatura de Cordel
 
[vi] Cordel:  CHAPEUZINHO VERMELHO, recontado
em cordel, pela MACKENIE, ensino fundamental –
1º ano, caderno de exercícios–São Paulo-SP, 2010.
 
[vii] Cordel: CHAPEUZINHO VERMELHO e A MENINA
QUE QUERIA SER ENGENHEIRA – pela Secretaria
de Educação do Estado de São Paulo, no livro de
apoio do 3º ano do Ensino Fundamental – ano 2020.
 
 
Obs: Meu cordel na XXX SEMANA DE FILOSOFIA;
ARTE, CULTURA E POLÍTICA BRASILEIRA, da UFRN
 
Minha Inscrição no Evento
 
Título: XXX SEMANA DE FILOSOFIA; ARTE,
CULTURA E POLÍTICA BRASILEIRA   
Data da Inscrição : 20/11/2021
Status Inscrição: APROVADO           
 
 
SIGAA | Superintendência de Informática - | |
Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa17
producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao v4.3.1­­_2
 
Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 04/12/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Parei em mim, matutando// O que é certo ou errado// E acabei esnobando// Que estava ali ao meu lado.