Sem noção de amor fraterno// O homem agride o irmão,// Num ato que mostra o inferno// Que trás em seu coração.
Rosa Regis Brincando com os Versos
Pensares que se transformam //espalhando poesia, //pegam carona no vento// enchem meu ser de alegria
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
O DOM DIVINO
Por: Rosa R. Regis - Natal/RN - 2000

Um dia...
alguém falou que "o caminhar por aí...
sem olhar onde se pisa
pode nos levar a cair".

Mas...
o que há abaixo de nós para se usufruir?
Para ser admirado e para sempre lembrado
pela própria beleza em si?

Somos seres tão pequenos
que abaixo de nós não temos muito para admirar!

Mas... entre os pequenos seres,
com os quais nós competimos,
somos privilegiados com uma dádiva do Divino
que é o dom de pensar.

E como pensar bonito olhando p'ros nossos pés?!
Sem ver o Céu... o Infinito...  a Natureza em viés!
Como um bordado perfeito
que dentro do meu conceito, não contém nenhum defeito!
Sendo, assim, nota dez?!

Por isso, eu olhos p'ros lados,
p'ra frente... ou acima de mim!
Abarcando a Natureza, essa beleza sem fim,
Da qual também faço parte!
Sem importar-me os desatres que me advenham, enfim.

Pois os desastres advindos,
serão, também, naturais!
São acidentes de percurso
que eu, pequeno que sou, não posso evitar jamais!

E o poder não possuindo de, às catástrofes, evitar,
deverei ficar de longe... tão somente a observar?
Ou tão só baixando a cabeça para evitar olhar!
E baixinho lamentando o não poder ajudar?!

Mas... Não!!

O porto seguro está em meu próprio ser
que enfrenta o turbilhão que veio a desenvolver
e, em círculos, remoinhar
com pensamentos opostos, qual tufão em alto mar!
Sem com isso entrar em pânico.
Ou seja: sem desesperar!
Mas, ao contrário, ficar como se estando a ver
o que está ocorrendo, como a observar
o meu próprio afogamento... de longe...
em lugar seguro!
Sem que o terror do naufrágio venha a me atormentar.

Pois, como observador
que sou, sinto-me liberto
dos valores que, por certo,
quem não o é, não está.

E, ao às coisas valorar
têm medo de perdê-las.
E tentando conservá-las
esquecem que o importante é algo que é constante,
é eterno. Não morrerá.
...
É a Essência!
É o próprio Ser
que ao SER MAIOR tornará Vivo, Perfeito e São!

E só os restos ficarão...
semm saudades!... Para o mar.







Rosa Regis
Enviado por Rosa Regis em 01/05/2006
Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários